Pericia criminal

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1665 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 31 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
TEXTO BASE

O texto base foi retirado da revista SuperInteressante, em 2008.
Mostra que a ciência e a tecnologia estão revolucionando a perícia criminal e tornando os trabalhos dos peritos muito mais incríveis.
De acordo com o autor do texto, a solução de crimes que antes pareciam perfeitos, está cada vez mais fácil.
O Onze de Setembro, acidente de grandes proporções, exigiu dosperitos um trabalho muito perfeito. O material genético, a arcada dentária, entre outros não puderam ser utilizados. Portanto, apoderando-se de tecnologias, testes de DNA ajudaram no processo. Esse era provavelmente o mais difícil trabalho da perícia criminal e; com todo arsenal high tech a vida dos bandidos tornou-se complicada: está cada vez mais duro cometer um crime perfeito.
OS TESTES DEDNA
Há menos de 5 anos, a polícia precisaria de até 500 células de um criminoso para conseguir uma amostra de DNA decente. Com as técnicas mais modernas, apenas algumas bastam. A técnica é tão sensível que, depois de uma fase inicial de automatização e barateamento do processo, ela tem sido usada para solucionar casos com amostras antes desprezadas, como aquela gota de suor ou, ainda, restosde tecidos epiteliais encontrados em objetos em que o criminoso tenha apenas encostado, como bitucas de cigarro, palitos de fósforo, roupas e armas.
Quando o DNA é retalhado, seu reconhecimento agora pode ocorrer através do desenvolvimento dos polimorfismos de nucleotídeo simples (SNP), capazes de identificar mutações do tamanho de uma única letra. Com ela, 40 pedaços de 60 a 80 pares deletrinhas cada já seriam suficientes para os testes de reconhecimento.
Tecnologias para fazer os testes de DNA na cena do crime estão sendo providenciadas. Ao que tudo indica, em breve os peritos poderão colher uma amostra biológica na cena do crime, inseri-la num dispositivo de bolso e receber em minutos o nome e uma foto do suspeito.
Há cada vez menos pistas invisíveis em uma cena decrime. As lupas foram trocadas por luzes forenses, que são lanternas portáteis ou lâmpadas de maior porte que emitem luzes de diferentes comprimentos de onda, ajudando a revelar coisas que normalmente passariam despercebidas. As fibras sintéticas ficam fluorescentes na maioria dos comprimentos de onda, especialmente nos 300 nanômetros da luz ultravioleta. Já materiais orgânicos, como fibras dealgodão, saliva, urina, sêmen e ossos, ficam opacos e esbranquiçados sob a luz negra. “Investigando um caso de estupro, analisei o banco de um carro que não tinha sinais evidentes. Com a luz, pude ver e coletar uma amostra de sêmen e identificar o material genético que incriminou um suspeito”, diz Rosângela Monteiro, da Polícia Científica de São Paulo.
A coleta de impressões digitais não é tãosimples, pois a maioria delas não é visível a olho nu e, dependendo do suporte, era impossível identificá-las. Superfícies molhadas, por exemplo, sempre foram uma barreira para os peritos. Problema resolvido com o desenvolvimento de nanopartículas de óxidos de zinco, usadas em um pó que reage com a gordura deixada pelas digitais mesmo na presença de água. Depois, é só iluminar a região desejada comluz ultravioleta e a digital, brilhante, está pronta para ser registrada numa foto.
O próximo desafio é tirar impressões digitais de pele humana, tarefa que está sendo pesquisada por cientistas do Oak Ridge National Laboratory, nos EUA. Eles desenvolveram um equipamento portátil que realiza uma técnica conhecida por espectroscopia de superfície aumentada. O método já mostrou que funciona, maso instrumento é feito com nanofios revestidos de prata que ainda não dão resultados muito nítidos. O grupo trabalha para melhorar esse revestimento e chegar a uma impressão digital mais evidente, que possa ser revelada com uma fotografia na própria cena do crime.
Segundo a revista Science, impressões digitais em superfícies molhadas e em pele humana estão prestes a ser reveladas por um...
tracking img