Penicilina

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2050 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de fevereiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
CENTRO REGIONAL UNIVERSITÁRIO DE
ESPÍRITO SANTO DO PINHAL-UNIPINHAL

BIOMEDICINA

BRUNA BARALDI ROMANO
ISABELA TEIXEIRA MAGALHÃES
MARIANA ORNAGHI
RAYSSA RUIZ

PENICILINA: A MÃE DOS ANTIBIÓTICOS

Espirito Santo do Pinhal
2011
BRUNA BARALDI ROMANO
ISABELA TEIXEIRA MAGALHÃES
MARIANA ORNAGHI
RAYSSA RUIZ

PENICILINA: A MÃE DOS ANTIBIÓTICOSProjeto de Pesquisa apresentado como parte
do PI (Projeto Integrado), ao Centro Regional
Universitário de Espírito Santo do Pinhal-
UNIPINHAL, sob orientação do professor e
Coordenador André Palermo Tonietti.

Espirito Santo do Pinhal
2011
1 INTRODUÇÃO

A penicilina apareceu nadécada de 20, no bagunçado laboratório do especialista em bacteriologia Alexander Fleming, a partir de uma cultura de bactérias mofadas.
Descoberta por acaso, fruto de um experimento mal sucedido, que acabou por virar um segredo de guerra e abriu caminho para as mais poderosas armas da medicina em prol da vida humana. Antes dos antibióticos, era possível morrer em decorrência de um mero resfriado, comopor exemplo.


2 A BIOGRAFIA E A GENIOSA DESCOBERTA DE ALEXANDER FLEMING

Alexander Fleming nasceu no dia 6 de agosto de 1881, em Lochfield, na Escócia. Ele era filho de um fazendeiro, Hugh Fleming, e tinha sete irmãos. Fleming era um aluno brilhante e percebeu que seu país de origem oferecia oportunidades limitadas de carreira. Sendo assim, aos 13 anos, ele se mudou para Londres, ondefreqüentou uma escola politécnica e trabalhou como office boy durante vários anos, antes de decidir se tornar um médico. Fleming então se matriculou na Escola de Medicina de St. Mary, que posteriormente tornou-se parte da Universidade de Londres. Seu desempenho na faculdade foi excelente, tendo recebido inúmeras honras em seus estudos de fisiologia e medicina.
Após graduar-se, Fleming tornou-seprofessor de bacteriologia na Universidade de Londres e assumiu um posto de pesquisa na Escola Médica do Hospital de St. Mary. Ele passava a maior parte de seu tempo no laboratório e conseguiu prosseguir com seus estudos durante a Primeira Guerra Mundial como membro do Corpo Médico do Exército Real. Perturbado com o alto índice de soldados mortos por ferimentos infeccionados, Fleming começou aquestionar a efetividade do tratamento de tecidos doentes ou danificados com os anti-sépticos que estavam sendo usados. Numa série de testes brilhantes, demonstrou que os anti-sépticos mais prejudicavam do que ajudavam, já que matavam células do sistema imunológico, facilitando ainda mais o aumento da infecção.
Com o fim da guerra, Fleming voltou a St. Mary e continuou estudando bacteriologia. Seusprincipais objetivos eram identificar algumas substâncias que pudessem combater as bactérias sem danificar tecidos saudáveis ou enfraquecer os mecanismos de auto-defesa do corpo. Em 1921, ele obteve um progresso importante: descobriu que as lágrimas humanas e o muco nasal, assim como as claras de ovos, continham uma substância química semelhante que dissolvia algumas bactérias. Ele chamou estenovo antibiótico de lisozima e publicou diversos artigos sobre sua efetividade. Contudo, a maioria dos cientistas não deu muita atenção para estas descobertas.
Fleming prosseguiu com suas pesquisas mesmo com a falta de entusiasmo atribuída à sua descoberta. Certo dia, em 1928, ele estava em seu laboratório checando algumas culturas de bactérias estafilococos. Uma cultura em particular chamou suaatenção: ela permaneceu descoberta acidentalmente por diversos dias, e havia sido contaminada por um esporo de fungo que penetrou através da única janela do laboratório. Fleming estava a ponto de lavar o prato quando percebeu algo muito incomum: na região ao redor do fungo, os estafilococos haviam desaparecido por completo. Nas outras partes do recipiente, porém, continuavam crescendo.
Fleming...
tracking img