Os paradoxos de zenao de eleia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1684 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Zenão de Eléia

Contexto Histórico

Zenão de Eléia, assim chamado para não ser confundido com o fundador do estoicismo (Zenão de Cício, 335-263 a.C.), foi o mais ilustre discípulo de Parmênides e teria vivido, aproximadamente, entre os anos 490 e 430 antes de Cristo.

Apontado, com razão, por Aristóteles como o criador da dialética, notabilizou-se por seu brilhantismo na elaboraçãode paradoxos, termo que, na acepção original, significa "contrário à opinião". Seus argumentos desempenharam importante papel na lógica e na matemática e levaram a uma reflexão mais aprofundada sobre o espaço e o tempo. Alguns de seus paradoxos ficaram célebres na história do pensamento ocidental, principalmente o de Aquiles e a tartaruga, que tem intrigado cientistas e filósofos desde aAntiguidade até os nossos dias.

Por volta dos 40 anos, Zenão teria acompanhado seu mestre Parmênides numa viagem a Atenas, tendo então conhecido Sócrates. Conta-se também que, quando sua pátria, a Cidade-Estado de Eléia, foi submetida aos desmandos de um tirano, o Zenão político empreendeu libertá-la, mas acabou de maneira trágica, enfrentando corajosamente terríveis suplícios. Zenão foi preso etorturado, recusando-se a entregar seus companheiros, perdeu a vida.

No entanto, o escopo principal de sua vida foi, sem dúvida, defender a doutrina de seu amado mestre contra as críticas e ataques de seus adversários. Suas argumentações pressupunham a teoria de Parmênides sobre o Ser-Uno e opunham à evidência sensível uma série de raciocínios destinados a refutá-la. Com efeito, a crítica aosenso comum feita por Parmênides é levada ao extremo por seu discípulo. E é exatamente contra essa opinião comum que Zenão formula seus paradoxos, com os quais o inventor da dialética reduz ao absurdo as teses do movimento e da multiplicidade das coisas, que, em sua opinião, não sendo racionais, não poderiam ser reais.

Os Paradoxos de Zenão

Zenão escreveu um livro com em torno de 40paradoxos, mas este se perdeu com o tempo. O que sabemos de Zenão nos foi transmitido por Platão, Aristóteles e pelo comentador Simplício do século VI d.C.

Os quatro mais conhecidos argumentos de Zenão, dentre os 40, que reduzia as idéias contrárias ao absurdo, são o da Dicotomia, o de Aquiles, o da Flecha e o do Estádio.
Os paradoxos da Dicotomia e o de Aquiles são os mais semelhantes. Zenãopartindo da suposição de que certa distância tem infinitas subdivisões (pontos) e que uma pessoa teria que passar por todas elas para percorrer toda a distância, afirma que a pessoa nunca atingirá seu objetivo. Concluindo assim que o movimento é impossível, e o que vemos é uma ilusão.

Analisando agora cada paradoxo separadamente:

O Paradoxo da Dicotomia
O paradoxo da dicotomia introduzum cenário. Suponhamos que Sócrates queira se aproximar de uma mesa onde encontramos um copo de cicuta. A distância entre ele e o copo é de 100 metros. Para percorrer qualquer distância, é antes preciso percorrer a sua metade; ou seja, antes de completar os 100 metros, ele terá que percorrer 50 metros. Então, depois de determinado tempo, ele terá percorrido 50 metros, e terão restado mais 50metros. Pouco depois, ele terá percorrido metade do percurso restante, fazendo com que sobrem outros 25 metros. Depois, ele terá percorrido mais 12,5 metros. Depois, mais 6,25 metros. Mais 3,125 metros. Mais 1,5625 metros. E assim por diante, ao infinito: ele chegará muito próximo do copo, mas nunca poderá tocá-lo, já que toda distância, por menor que seja, tem antes uma metade a ser percorrida. Esteparadoxo apresenta um outro problema. Para percorrer integralmente qualquer distância é preciso antes percorrer a sua metade. Vamos supor que Sócrates, antes de alcançar a mesa, queira andar um metro em sua direção; mas antes de percorrer um metro, ele terá que percorrer meio metro. E antes de meio metro, um quarto de metro; antes de um quarto, um oitavo; antes de um oitavo, um dezesseis avos; e...
tracking img