Novo codico florestal

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 15 (3621 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 4 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Novo Código Florestal

Introdução:
Nosso trabalho ira falar sobre o Novo código Florestal.Pois não há duvidas que o Brasil precisa de um novo código florestal .O último foi criada em 1965 e já não atende a realidade brasileira. Com tudo , o projeto apresentado por Aldo Rebelo para um novo código florestal está gerando muita polêmica,pois divide opiniões de ruralistas ,ambientalista e acadêmicos

Desenvolvimento .
Reportagens desfavoráveis
E aí, Marina? Desmatamento da Amazônia caiu 38% em agosto, indica Inpe; logo, é mentira que novo Código Florestal seja ruim para a floresta

Uma das teses malucas, irracionais, espalhadas por Marina Silva, a sem-partido, é que o debate sobreo novo Código Florestal aumentou o desmantamento. Não haveria razões lógicas pra isso porque o texto não protege de modo nenhum novos desmatamentos — ao contrário. E também não é leniente com os antigos, diga-se.
Pois é… Não fazia sentido. E não aconteceu mesmo. O desmatamento caiu. Leiam o que informa Débora Santos, no Portal G1 (mais aqui):
O desmatamento na região amazônica teve uma queda de38% no mês de agosto em relação ao mesmo mês do ano passado, indicam dados divulgados nesta segunda-feira (3) pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e o Ministério do Meio Ambiente, em Brasília.
Analisando imagens de satélite, o instituto detectou a derrubada de 164 km² - o equivalente a cem vezes o Parque Ibirapuera, em São Paulo. Um ano antes, haviam sido 265 km² devastados emagosto. Em relação a julho deste ano, também houde redução, já que naquele mês foram 225 km². A cobertura de nuvens foi a menor da história, com 3%, o que contribuiu para a qualidade dos dados de monitoramento via satélite.
De acordo com o diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Gilberto Câmara, a queda é resultado do esforço de fiscalização feito pelo governo. Depois deregistrada a devastação de 477 km² em abril deste ano, um gabinete de crise foi instalado para aumentar a vigilância, em especial no norte de Mato Grosso.
“Instalamos o gabinete de crise e, de lá para cá, conseguimos reduzir e colocar muito abaixo do que era o perfil médio do ano passado”, afirmou a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira.

Novo código florestal põe em risco compromissosinternacionais do Brasil

Após mais de 11 horas de negociação, no último dia 24 de maio os deputados federais aprovaram o texto-base do novo Código Florestal, de relatoria do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP). No total, 410 deputados votaram a favor do texto, 63 contra e houve uma abstenção. O novo código passa agora à votação no Senado, e segue à sansão da Presidência.
Esta foi a segunda tentativa deaprovação do projeto, que possui pontos polêmicos que dividem governo, oposição e ambientalistas. Um dos principais itens de discórdia se refere ao uso das Áreas de Preservação Permanente (APPs), zonas protegidas que têm a função de preservar a natureza e assegurar o bem-estar das pessoas. A lei atual restringe sua ocupação, mas o relatório de Rebelo prevê regulamentação por decreto das atividadesque poderão continuar em APPs já desmatadas, além de permitir a manutenção das plantações e pastos existentes nessas áreas até julho de 2008.
Além disso, o novo código transfere para os Estados a possibilidade de legislar sobre os limites e cultivos dessas APPs. Para os ambientalistas, isso poderá causar ainda mais desmatamentos, sem contar a descentralização do controle da terra, que podeprovocar diferenças gritantes entre os Estados, e a chamada anistia aos desmatadores. 
O texto da emenda garante ainda aos Estados, por meio do Programa de Regularização Ambiental (PRA), o poder de estabelecer outros setores – além das atividades agrícolas, pecuárias, cultura de árvores, ecoturismo e turismo rural – que possam justificar a regularização de áreas desmatadas.
“Não existe mais um...
tracking img