Nada

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1159 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 20 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Filosofia Medieval
 ANTECEDENTES:
 PATRÍSTICA GREGA
 EDITO DE MILÃO – 313 d.C. CONSTANTINO
 EDITO DE TESSALÔNICA - 380 d.C. TEODÓSIO
 Patrística:
 Nome que se dá à filosofia dos Padres da Igreja ou Santos Padres;
 Caracterizavam-se pelos traços de antiguidade, ortodoxia,santidade de vida e aprovação pela Igreja.
 Patrística:
 Nome que se dá à filosofia dos Padres da Igreja ouSantos Padres;
 Caracterizavam-se pelos traços de antiguidade, ortodoxia,santidade de vida e aprovação pela Igreja.
 INTRODUZIU:
 IDÉIA DE CRIAÇÃO DO MUNDO
 IDÉIA DE PECADO ORIGINAL
 IDÉIA DE TRINDADE
 IDÉIA DE JUIZO FINAL
 IDÉIA DE RESSUREIÇÃO DOS MORTOS
 EXPLICAR... COMO O MAL PODE EXISTIR NO MUNDO QUE FOI.....
 -CRIADO
 -PERFEITO
 IMPÔR;
 - VERDADES REVELADAS
 - FÉ XVERDADES DA RAZÃO
 - CONHECIMENTO RECEBIDO POR GRAÇA DIVINA
 - CONCILIAR FÉ E RAZÃO
 DISPUTAS
 Os que julgavam fé e razão irreconciliáveis e a fé superior à razão. (Creio porque absurdo)
Os que julgavam fé e razão conciliáveis mas subordinavam a razão à fé. (Creio para compreender)
 Os que julgavam a fé e a razão irreconciliáveis – cada uma tem seu próprio conhecimento....não devemmisturar-se.
PATRÍSTICA
 AGOSTINHO DE HIPONA – 354 a 430 d.C
 Visão platônica
 1 CONHECIMENTO HUMANO E VERDADES ETERNAS;
 PROBLEMAS
 A) Se conhecemos a verdade
 princípio de não-contradição
 a própria existência
 B) Como conhecemos
 Pelos sentidos – cores, odores, sabores...( sentir não é do corpo – sim da alma)
 Razão Inferior – conhecimento científico (se ocupa do mundocorpóreo)
 Razão Superior – conhecimento das verdades eternas – obtido por iluminação divina – não por reminiscência.
 ILUMINAÇÃO – Quaedam lux sui generis incorporea.
 2 - O MUNDO E O TEMPO
 CRIADO ... no tempo ou na eternidade?????
 FASES DO TEMPO:
 Passado – tempo que não é mais
 Futuro – tempo que ainda não é
 Presente – tempo que é agora, mas não será sempre
 “O tempo não existefora de nós”
 “O mundo é como uma mulher grávida: traz em si a causa das coisas que não virão à luz no futuro. Assim todas as coisas (de todos os tempos) foram criados por Deus”.
 3 – MAL E LIBERDADE
 PROBLEMA:
 Se Deus é a causa de tudo o que acontece, como se explica o mal?
 LIBERDADE É UM BEM?
 - sim – condição de moralidade
 E A CULPA ?
 - mal original ------ necessita da graçapara fazer o bem
 Ordem como a disposição de coisas iguais e desiguais, dando a cada uma o lugar que lhe correspode
 Justiça como a tendência da alma de dar a cada um o que é seu
 Duas Cidades:
 -1 Terrena-homens que vivem de acordo com o mundo
 2-Divina-Almas libertas do pecado e próximas de Deus.
 Ele enfrenta o problema do Estado que é harmônica multidão de homens unidos por umvínculo de sociedade.
 A comunidade Política, cidade ou estado, é a instituição de direito natural que se forma pelo agrupamento de famílias, contribuindo para formar uma sociedade maior, a comunidade da linhagem humana. Assim se concebe a idéia da ordem universal.
 INFUÊNCIA ARISTOTÉLICA
 MANUTENÇÃO DA DISCUSSÃO ENTRE FÉ E RAZÃO
 1. FASE – SÉC. VI AO IX
 PREPARATÓRIO
 OBSCURIDADECULTURAL
 DECADÊNCIA MORAL
 2. FASE – SÉC. IX AO XIII
 REFORMA MONÁSTICA
 RENOVAÇÃO POLÍTICA DA IGREJA
 LUTAS PELA INVESTIDURA
 SISTEMATIZAÇÃO – RAZÃO E FÉ
 3. FASE – SÉC. XIV
 DIVÓRCIO ENTRE RAZÃO E FÉ – COM GUILHERME DE OCKHAM
TOMÁS DE AQUINO (1225 -1274)
 É justo para o homem possuir propriedade... os negócios humanos são conduzidos de modo mais ordenado se a cada homem couber tomarconta de algo particularmente seu, ao passo que seria uma confusão se cada um tivesse de tomar conta da coisa de outrem indeterminadamente”.
 “O QUE DISTINGUE O GÊNIO DOS HOMENS DESTE TEMPO É O PERFEITO EQUILIBRIO ENTRE FÉ E RAZÃO, ENTRE A AUTONOMIA DO HOMEM E A SUA MAIS COMPLETA SUBMISSÃO A DEUS”
 PONTOS DE DISCUSSÃO:
 RAZÃO E FÉ
 TEOLOGIA E FILOSOFIA
 FÉ E RAZÃO
 PROBLEMA;...
tracking img