Mitos e folclore

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 24 (5904 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de fevereiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Anuário do Instituto de Geociências - UFRJ
ISSN 0101-9759

Vol. 28-1 / 2005 p. 101-115

Fósseis: Mitos e Folclore
Fossils: Myths and Folklore Antonio Carlos Sequeira Fernandes
UFRJ, Departamento de Geologia e Paleontologia, Museu Nacional/ Quinta da Boa Vista s/n, São Cristóvão, Rio de Janeiro, RJ, 20940-040 E-mail: fernande@acd.ufrj.br Recebido em: 01/11/2005 Aprovado em:17/11/2005Resumo Os fósseis têm sido objetos familiares ao homem desde a pré-história, interagindo com ele com impressionantes conotações no folclore popular. É uma relação recheada de crendices e superstições, trazendo à luz informações inestimáveis, por vezes não escritas, relacionadas à história dos povos que os usavam. Foram utilizados como ornamentos em pendentes e colares, como os heróis e gigantes daAntiguidade grega e romana, como prova da existência de dragões, como amuletos contra serpentes peçonhentas e, principalmente, como remédios contra diversas doenças. Este artigo exemplifica algumas de suas utilizações no folclore de diversas culturas. Palavras-chave: fósseis, mitos, folclore, Paleontologia.

Abstract Fossils have been familiar objects to man since the prehistoric times, withstriking connotations in the folklore of several cultures. They were used as decorative elements in necklaces, regarded as heroes or giants in the classical greek and roman times, interpreted as teeth and bones of dragons, used as amulets against the bites and poisons of snakes, and as medicines to the treatment of several disorders. This article describes some of these examples. Keywords: fossils,miths, folklore, Paleontology.

1 Introdução Os fósseis, em sua conceituação mais moderna, compreendem os restos e vestígios de organismos do passado geológico preservados naturalmente nas
101

Fósseis: Mitos e Folclore Antonio Carlos Sequeira Fernandes

rochas. Apesar de sua conceituação como “objetos” de origem biológica só ter sido admitida de fato pelos estudiosos a partir dos doisúltimos séculos, sua presença na natureza sempre foi conhecida pelo homem, desde bem antes da Antiguidade clássica. Sua utilização teve inúmeras conotações: como simples adornos, como amuletos, como objetos de superstição ou mesmo como objetos de interesse para propósitos medicinais. Em grande parte os fósseis são abordados na literatura em citações isoladas de fatos curiosos relacionados a gruposespecíficos; mais do que uma simples curiosidade, entretanto, o conhecimento de sua existência pelo homem e as conotações que lhe são atribuídas trazem revelações surpreendentes que nos permitem compreender melhor a História, em grande parte devido a sua ligação com o comportamento e religiosidade dos povos antigos. O seu papel nas diversas sociedades tem se revelado principalmente nos textos de Bassett(1982), Edwards (1967), Kennedy (1976), Kerney (1982), Mayor (2000 e 2005), Mayor & Sarjeant (2001), Oakley (1965, 1971, 1973 e 1975), Rudkin & Barnett (1979) e Wendt (1968), onde a relação dos fósseis com as populações pré-históricas, a mitologia na Antiguidade, as crendices religiosas, bem como a sua utilização na medicina popular, tiveram uma abordagem destacada. Este texto descreveresumidamente alguns dos principais enfoques desses autores, apresentados na conferência proferida sobre o tema durante a II Jornada Fluminense de Paleontologia, realizada na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

2 Os Fósseis entre os Povos Pré-históricos Quem teria sido o primeiro coletor de fósseis e que interesse ele poderia ter tido nesse tipo de objeto? É uma pergunta de resposta difícil,apesar do conhecimento de sua presença desde os tempos do Paleolítico inferior, conforme revelou a sua presença entre os pertences das primeiras culturas do período. Qualquer tentativa de resposta seria pura especulação, já que da antiga Idade da Pedra não ficaram documentos escritos que nos permitissem respostas adequadas (Rudkin & Barnett, 1979). Mesmo assim, sua ocorrência entre o homem...
tracking img