Metodo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 39 (9624 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 28 de maio de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
logia de PesquisaOLIVEIRA, Cacilda Lages - Significado e contribuições da afetividade, no contexto da Metodologia de Projetos, na Educação Básica, dissertação de mestrado – Capítulo 2, CEFET-MG, Belo Horizonte-MG, 2006.

________________________________________________________________

A Metodologia de Projetos como recurso de ensino e aprendizagem na Educação Básica
Neste capítulo,apresentam-se elementos básicos para a compreensão dos pressupostos histórico-conceituais que levaram aos modelos atuais de Metodologia de Projetos e os aspectos relevantes desta para o processo de ensino e aprendizagem. Na primeira seção, busca-se refletir sobre o modelo tradicional de educação, que, sob vários aspectos, ainda é vigente na maioria das escolas brasileiras. Levantam-se características e osprincipais aspectos que fazem dele um modelo criticável e inadequado para as propostas educacionais atuais. Na segunda seção, é apresentado um breve apanhado histórico sobre alguns educadores do movimento da Escola Nova, destacando pontos que condizem com as propostas da Metodologia de Projetos. Na terceira seção, destacam-se características e modelos atuais de Metodologia de Projetos.Contrapõem-se esses modelos aos modelos tradicionais de educação, dando relevo a propostas e vantagens dos modelos atuais para a educação, nos dias de hoje. Na quarta seção, são apresentadas, de forma sucinta, algumas idéias e possibilidades que levaram à investigação da Metodologia de Projetos, como uma proposta de trabalhar a afetividade na educação. 2.1 O modelo tradicional de educação

As propostaspedagógicas contemporâneas indicam que educar significa preparar o indivíduo para responder às necessidades pessoais e aos anseios de uma sociedade em constante transformação, aceitando desafios propostos pelo surgimento de novas tecnologias, dialogando com um mundo novo e dinâmico, numa sociedade mais instruída, melhor capacitada, gerando espaços educacionais autônomos, criativos, solidários eparticipativos, condições fundamentais para se viver nesse novo milênio. Apesar disso, em nossas escolas, ainda vigora a metodologia expositiva. Seu grande problema é o risco da nãoaprendizagem, já que não há interação entre o sujeito e o objeto de conhecimento, o que torna essa metodologia pouco adequada à formação dos jovens estudantes para a vida.
A inadaptação da escola à sociedade moderna édenunciada de um triplo ponto de vista: econômico, sócio-político e cultural. A escola transmite um saber fossilizado que não leva em conta a evolução rápida do mundo moderno; sua potência de informação é fraca comparada à dos mass media; a transmissão verbal de conhecimentos de uma pessoa para outra é antiquada em relação às novas técnicas de comunicação: a produtividade econômica da escola parece,assim, insuficiente. Do ponto de vista sócio-político, reprova-se a escola por visar à formação de uma

elite, enquanto as aspirações democráticas se desenvolvem nas sociedades modernas, e por não ser mesmo mais capaz de formar essa elite, na medida em que o poder repousa, agora, mais sobre a competência técnica do que sobre essa habilidade retórica à qual a escola permaneceu ligada. Enfim, aescola, fundamentalmente conservadora, assegura a transmissão de uma cultura que deixou de tornar inteligível o mundo em que vivemos e que desconhece as formas culturais novas que tomam cada vez mais lugar em nossa sociedade. A escola, fechada em si mesma, rotineira, prisioneira de tradições ultrapassadas, vê-se assim acusada de ser inadaptada à sociedade cultural (CHARLOT, 1976, p.151).

Nessemodelo de escola, o professor passa para o aluno, através da exposição verbal da matéria, de exercícios de memorização e fixação de conteúdos, de leituras em livros didáticos, os conhecimentos adquiridos ao longo dos anos pelas diferentes culturas. O aluno recebe tudo pronto, não é incentivado a problematizar e nem é solicitado a questionar ou fazer relação do que aprende com o que já conhece. Por...