Merchandising em novela

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 19 (4508 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 3 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Sumário

AGRADECIMENTOS
RESUMO
INTRODUÇÃO
CAP 1 – Indústria Cultural e Novela
1.1 Indústria Cultural – Conceito
1.2 Cultura de Massa e Sociedade de Consumo
1.3 Telenovelas – A grande Invenção Nacional

CAP 2 – Merchandising e Telenovela
2.1 Merchandising – Conceito
2.2 Merchandising nas novelas
2.3 Merchandising Social e Merchandising Comercial

CAP3 – Estudode Caso: (novela a escolher)

3.1 Enredo
3.2 O telespectador transformado em consumidor
3.3 O merchandising inserido na trama

CONCLUSÃO

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1.1 Indústria Cultural
No inicio do século XX, os primeiros autores a estudar os meios de comunicação de massa foram filósofos Theodor Adorno (1903-1969) e Max Horkheimer (1896-1973), pertencente ao grupo de intelectuaischamado Escola de Frankfurt. Ao analisar os meios de comunicação de massa, esses autores concluíram que esses recursos funcionavam como uma indústria na padronização de noticiais e serviços. (A indústria cultural: O Esclarecimento como Mistificação das Massas.)
O termo foi criado pelos filósofos como um processo pelo qual o indivíduo é levado a não pensar sobre si mesmo e sobre seu meio social,transformando-se em um mero alimentador do sistema que o envolve, uma conjugação do trabalho e do capital para transformar matéria-prima em bens de consumo. (O iluminismo como mistificação das massas - Dialética do esclarecimento, 1942)
A indústria cultural, os meios de comunicação de massa e a cultura de massa surgem por meio da industrialização, urbanização, tecnologia e a evolução capitalista.Segundo Edgar Morin (2007), “a criação tende a se tornar produção”, e “o vento que assim se arrasta em direção à cultura é o vento do lucro capitalista”. O desenvolvimento radical das artes técnicas se deve ao lucro e ao espírito capitalista que o orienta maciçamente.
A indústria cultural possui sua produção de massa destinada ao consumo máximo, tendendo ao público universal. As criações artísticasjá não são mais obras únicas, estas se transformam em objetos e estes objetos são agora mercadoria.
A mesma constitui um complexo de normas, símbolos, imagens e mitos que penetram no homem estruturando seus instintos, orientando suas emoções. Essa penetração acontece através de trocas mentais de projeção e de identificação polarizadas nesses ícones, que fornecem pontos de apoio imaginários avida prática, e pontos de apoio à vida imaginária. Da mesma forma, a cultura de massa constitui um corpo de símbolos, mitos e imagens, concernentes a vida prática e imaginária do individuo.
Para Edgar Morrin (2007), cultura de massa produzida segundo as normas maciças de fabricação industrial, destina-se a uma massa social, um aglomerado imenso de indivíduos compreendidos nas estruturas dasociedade. E para essa sociedade, o padrão maior de avaliação tende a ser a coisa, portanto tudo se transforma em coisa, inclusive o homem. Há a inserção de produtos culturais em série que são consumidos pela sociedade como estipula a mídia, que, por sua vez, tem o poder de manipular as massas, “ditando” o que deve ser consumido.
Segundo Renato Ortiz (1991), a indústria cultural no Brasil acaba por perderseu significado original, que seria a ideia de cultura – crescimento natural da coisas – para se tornar um bem de consumo coletivo, sendo colocado em questão sua lucratividade ou aceitação de mercado, e não pelo valor estético ou filosófico pelos quais muitos poetas, escritores faziam sua arte, atreves de livros, contos, romances.
A elite da época acreditava na ideia da cultura sem o propósitode um consumo coletivo, pois a indústria cultural manifesta a democratização do conhecimento para as grandes massas, apresenta entretenimento e dão informações essenciais para o homem. Mas percebendo a que o universo elitista encontrava-se condenado, e ao mesmo tempo a sociedade começava a se impor, buscaram então por relacionar-se com o público pelo mass media, o jornal. (Renato Ortiz – A...
tracking img