Lorena souza

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2099 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 24 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Resumo
Etnocentrismo

BIBLIOGRAFIA: ROCHA, Everaldo. O que é etnocentrismo. São Paulo: Brasiliense, 2006. (Coleção primeiros passos; 124).

PENSANDO EM PARTIR

Etnocentrismo é definido como a visão demonstrada por alguém que considera o seu grupo étnico ou cultura o centro de tudo, portanto, num plano mais importante que as outras culturas e sociedades, ou seja, utilizar critérios de umdeterminado grupo para entender o outro. O etnocentrismo é um acontecimento onde são reunidos tanto elementos intelectuais quanto elementos emocionais e afetivos. “Talvez o etnocentrismo seja, entre os fatos humanos, um daqueles de mais unanimidade”. (p. 8).
No etnocentrismo ocorre um conflito cultural, pois há a existência do grupo do “eu”, que tem os mesmos aspectos, ou seja, que procedem demaneiras semelhantes entre si. Por outro lado, existe o grupo do “outro”, o grupo do “diferente”, que faz coisas de modo diferente do nosso e sobrevive á sua maneira. “Esse choque gerador do etnocentrismo nasce, na constatação das diferenças. A diferença é ameaçadora porque fere nossa própria identidade cultural”. (p. 8 e 9).
O etnocentrismo ocorreu, e ocorre em varias sociedades, entretanto, nanossa, ganhou um caráter colonizador.
Everardo Rocha, conta uma história sobre o pastor que foi conhecer e conviver com os índios e comprou diversas coisas para levar para os integrantes da tribo. Para ele, comprou um relógio do mais moderno e cheio de funções. Chegando à tribo ele distribuiu seus presentes, e durante alguns meses em que ele já estava lá convivendo, um índio se interessou pelo seurelógio. Após muita insistência o pastor acabou cedendo e dando o relógio para o índio. Em um determinado momento o índio chamou o pastor e mostrou o relógio dele pendurado em um galho cheio de ornamentos, servindo de enfeite. O pastor certo tempo depois, em seu escritório, olhou para parede de seu escritório que estava cheio de arcos, flechas, e outros elementos indígenas. Nesse momento ele selembra do índio e da um grande sorriso pelo que o índio tinha feito com o seu relógio. Essa história mostra importantes sentidos da questão do etnocentrismo: Em primeiro lugar, os objetos mudaram de sentido na cultura de ambos.
Em segundo lugar, essa historia representa o que se poderia chamar se fosse possível, de um etnocentrismo ‘cordial’. Porém, tanto no presente como no passado, tanto aquicomo em vários outros lugares o etnocentrismo é colocado como motivo para tomar e dominar as outras culturas, até mesmo usando a força para valer o nosso etnocentrismo.
Em terceiro lugar, a história ensina que o “outro” e a sua cultura são apenas uma representação que é manipulada ao nosso querer. Ao “outro”, negamos a mínima autonomia para falar de si mesmo. Portanto, os que estão de fora, podemser vistos pelo grupo do “eu” como brabos e traiçoeiros ou mansos e bondosos.
Utilizando a figura do louco na nossa sociedade, Everardo explica que, ela é manipulada de acordo com a intenção por uma série de representações, sendo denegrida ou exaltada. Isto não somente historicamente, mas em distintos contextos no presente. Louco pode ser ora elogio, ora pejorativo dependendo do caso. Aqueles quenão pertencem ao grupo do “eu” acabam representados por uma visão etnocêntrica e consoante a ideologia do momento.
Outra imagem utilizada é a do índio brasileiro, nos livros didáticos de História. Por meio deles circula um conhecimento altamente etnocêntrico, salvo honrosas exceções. Os livros ocupam um posto de supostos donos da verdade, devido ao fato de que quem detém seu saber ser aprovado nostestes. Os estudantes são testados pelo seu conteúdo, fazendo com que as informações contidas terminem fixas na memória.
Alguns livros colocavam os índios como incapazes de trabalhar nos engenhos de açúcar e qualificava-os como indolente e preguiçoso. Ora, como se poderiam aplicar tais adjetivos a quem se recuse a trabalhar como escravo numa lavoura – que nem sua é – para enriquecer um...
tracking img