Intertextualidade

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1275 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 23 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE PAULISTA (UNIP)
INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO (I.C.S.C.)
CAMPUS: SANTOS/ RANGEL
CURSO: Letras – Português/ Inglês















LETRAS INTERDISCIPLINAR:
Intertextualidade entre artes: texto bíblico, poema e música








João Victor Badiali Leitão Teixeira / A79453-0
Luana Souza Rodrigues / A75JDG-9SANTOS


2012
Intertextualidade sobre amor

Bíblia, Novo Testamento, Primeira carta de Paulo aos Coríntios.
Capítulo 13: A prática do amor

O texto é composto de várias exaltações ao amor, fazendo comparações referentes às possibilidade de não ter amor. Discorre sobre o tema de forma a abranger todas as limitações e características pertencentes aeste conjunto de emoções, concluindo de maneira enfática que o amor é o maior dos sentimentos:

Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e nãotivesse amor, nada seria.
E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;
Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos;
Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado.
Quando eu era menino, falava como menino,sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.
Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido.
Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três. Mas o maior destes é o amor.

Soneto 11, Luiz de Camões

Camões escreveu umSoneto sobre amor, evidenciando que, se por um lado desenvolve a poesia e enriquece o espírito, é também um amor que tortura e escraviza pela impossibilidade de ignorar o desejo de posse da amada e as urgências da carne.
No poema são expostos os contrastes de idéias referentes a um mesmo tema, como se o poeta quisesse definir o indefinível, explicar o inexplicável, caracterizando o mistério quehá por trás de um sentimento que o atormentava. A essência emocional contida no soneto nos traz a reflexão real a respeito das complexas conclusões sobre o amor, que, sendo quase impossíveis de explanar, é de conhecimento geral que tal sentimento seja indefinível. Camões consegue nos dar a idéia exata de definição do sentimento, sem que seja exatamente certo que se explique – as palavras remetem comesmero àquilo que entendemos por amor:

Soneto 11

Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, ovencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?


Monte Castelo, Legião Urbana

A Batalha de Monte Castello foi travada ao final da Segunda Guerra Mundial, entre as tropas aliadas e as forças do Exército alemão, que tentavam conter o seu avanço no Norte da Itália. Esta batalha marcou a...
tracking img