Informativo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (294 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
7,3% das jovens de 15 a 17 anos têm, pelo menos, um filho
Os dados também revelam índices altos de gravidez na adolescência, uma vez que, entre as jovens de 15 a17 anos, a proporção de mulheres com, pelo menos, um filho é de 7,3% no país. Na região metropolitana do Rio de Janeiro, esse índice chega a 4,6% e na regiãometropolitana de Fortaleza, 9,3%. Na comparação com as pesquisas anteriores, Maranhão, Ceará e Paraíba continuam apresentando altas proporções de jovens adolescentescom filhos.
Quanto à escolaridade da população que trabalha, as diferenças entre homens e mulheres são mais marcantes nas áreas urbanas. No Brasil, as mulheresocupadas nessas áreas têm, em média, um ano de estudo a mais que os homens (tabela 11.2). N Nordeste, as mulheres chegam a ter quase um ano e meio de diferença naescolaridade em relação aos homens. Nas áreas rurais, porém, apesar da média de anos de estudo das mulheres também ser superior à da população masculina ocupada, elanão é tão significativa. Nas áreas urbanas, as mulheres ocupadas têm, em média, 8 anos de estudo, ou seja, o ensino fundamental completo.
O perfil de escolaridadedas mulheres que trabalham é diferente do masculino (gráfico 11.2). Enquanto 59,2% dos homens ocupados têm até 7 anos de estudo, nas mulheres essa proporção émenor: 49,1%. Em quase todas as regiões, mais de um terço (35,4%) das mulheres que trabalham têm, no mínimo 11 anos ou mais de estudo, contra 24,8% dos homens. Aúnica exceção é o Nordeste mas, mesmo aí, elas apresentam proporção superior a dos homens na faixa dos 11 anos ou mais de estudo (26,1% contra 14,6%). (Tabela 11.3).
tracking img