Historia - palacio da bolsa

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1808 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 28 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Palácio da Bolsa

Introduçao
Neste trabalho irei falar sobre neoclassicismo numa forma em geral .Em Portugal temos algumas obras de arquitectura de pintura onde podemos observar o movimento artístico Neoclassico .
A obra que irei é uma obra arquitectónica designada Palácio da bolsa Situada na baixa da Cidade do Porto.

O que é o Neoclassicismo
Trata-se de um movimento artísticointernacional que surge na segunda metade do séc. XVIII e culmina no período Napoleónico (estilo Império), exercendo posteriormente uma influência decrescente, embora marcando, ao longo do séc. XIX, o estilo oficial de vários países, particularmente a América do Norte (Greek revival).

O neoclassicismo surgiu como reacção à artificialidade do rococó e impôs como prática a simplicidade, nas linhas,formas, cores e temas, bem como o aprofundamento de ideias e sentimentos. Inspirou-se nas formas primitivas da arte clássica: o puro contorno linear, a abolição do claro-escuro. Para os escultores neoclássicos, a essência da pureza residia no mármore branco da estatuária grega. No neoclassicismo, o espírito científico, racional e didáctico dos enciclopedistas do Século das Luzes associou-se ao míticoretorno à Natureza propagado por Rousseau. Para os artistas neoclássicos os conceitos de racionalismo e sensibilidade não eram opostos. A compaixão é própria das pessoas virtuosas e a temática neoclássica pretendia exaltar a virtude. Mas tal como a teoria mítica do bom selvagem provou ser utópica, também o foi um estilo que viu na Arte Clássica e nos heróis de Plutarco os modelos de perfeição areinstalar no mundo.

A teoria estética do neoclassicismo foi desenvolvida por Johann Joachim Winckelmann (1717-1768), em 1764, na sua História da Arte da Antiguidade, e teve Roma como centro de divulgação.

Apesar de a arte clássica ser apreciada desde o Renascimento, o era de forma circunstancial e empírica, mas agora o apreço se construía sobre bases mais científicas, sistemáticas e racionais.Com essas descobertas e estudos começou a ser possível formar pela primeira vez uma cronologia da cultura e da arte dos gregos e romanos, distinguindo o que era próprio de uns e de outros, e fazendo nascer um interesse pela tradição puramente grega que havia, na época, sido ofuscada pela herança romana, ainda mais porque na época a Grécia estava sob domínio turco e por isso, na prática, erainacessível para os estudiosos e os turistas do Ocidente cristão. Os escritos de Johann Joachim Winckelmann, um erudito alemão de grande influência especialmente entre os intelectuais italianos e alemães, incluindo Goethe, enalteceram ainda mais a arte grega, e vendo nela uma "nobre simplicidade e tranquila grandeza", apelou a todos os artistas para que a imitassem, restaurando uma arte idealista quedeveria ser despida de toda transitoriedade, aproximando-se do carácter do arquétipo. Seu apelo não passou despercebido, e a história, literatura e mitologia antigas passaram a ser a fonte principal de inspiração para os artistas, ao mesmo tempo em que eram reavaliadas outras culturas e estilos antigos como o gótico e as tradições folclóricas do norte europeu, o que possibilitou que os princípiosneoclássicos coexistissem com os do Romantismo.

Neoclassicismo em Portugal
As transformações mentais e técnicas, e consequentemente económicas e sociais, do séc. XVIII iriam também fazer com que alguma "luz" iluminasse o espaço português.

Reatara-se desde a Restauração, e mais ainda após a época de D. João V, o contacto com o exterior através da mediação dos estrangeirados, portugueses que,emigrados por razões muitas vezes ideológicas ( a Inquisição não acalmara o seu zelo ), vão, no entanto, comentando a realidade nacional. Com D. José, ou melhor com Pombal, alguns desses portugueses são mesmo convidados a participar nas vastas reformas que o ministro se propôs realizar em todos os campos, nomeadamente no do ensino (Ribeiro Sanchez, Luís António Verney ).

Reformou-se pois...
tracking img