Historia da riquesa do homem

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 18 (4397 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 14 de julho de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
HUBERMAN, Leo. Do Feudalismo ao Capitalismo. In__ História da Riqueza do Homem. 21ª Edição. Rio de Janeiro: LTC, 1959.

PARTE 1 – Do feudalismo ao capitalismo
Capítulo 1: Sacerdotes, guerreiros e trabalhadores.
-O trabalho na Idade Média. O sistema agrícola. O servo e o senhor. A situação da nobreza, da realeza e do clero.
Em muitos filmes e histórias antigas, pouco se faladas pessoas quecontribuíam na fabricação e produção de todo o luxo mostrado. Em livros da Idade Média sempre é descrito palácios luxuosos e muita riqueza, porém nada ou quase nada é descrito em relação aos trabalhadores que viveram em função do trabalho, produzindo armaduras, alimentos e etc...
A sociedade feudal era dividida entre sacerdotes, guerreiros e trabalhadores. A classe trabalhadora eraquem produzia para as outras classes. O trabalho exercido era o agrícola, em áreas na Europa conhecidas como feudos. Os feudos se diferenciavam em tamanho e organização. O dono de um feudo era conhecido como senhor feudal e morava na casa grande com sua família e alguns empregados. As terras de plantio eram divididas em duas partes, uma do senhor (cultivada apenas pra ele) e a outra era divididaentre muitos arrendatários. Diferentemente dos dias atuais, a terra era cultivada em faixas espalhadas e não em campos contínuos.
Os camponeses eram chamados de servos e tinham direito a terra, porém viviam de forma miserável trabalhando arduamente e sem receber pagamento, ficando sua subsistência em segundo plano. O senhor explorava o servo, fazendo com que este pagasse até pelas ferramentas queusava. Igualava-se ao escravo em muitos aspectos, diferenciando-se apenas por possuírem terra e serem presos a esta (sua vida era limitada ao feudo, não podendo os servos casar-se fora dos limites, exceto com permissão especial) e não podiam ser vendidos.
Cada feudo tinha sua organização política que variava entre feudos e regiões. A riqueza do homem era determinada pela quantidade deterra que possuísse, o que levava às guerras pela terra. Nos feudos existia a relação entre suseranos e vassalos; os dois eram detentores de terras. Os suseranos, sendo proprietários de uma maior extensão de terra, doavam parte de seus domínios para os vassalos, em troca de proteção militar.
O poder pertencia ao clero e a nobreza: o clero concedia ajuda espiritual e a nobreza, proteção militar;em contrapartida à servidão dos camponeses. Nota-se que a Igreja foi a maior proprietária de terras da época, por receber terras de fiéis que desejavam obter o perdão de Deus antes da morte ou que as doavam por dízimo; caracterizando-a como a mais organizada e duradoura instituição da Idade Média. Além disso, cumpria com sua “tarefa social”, auxiliando pobres e doentes.
Capítulo 2: Entra em cena ocomerciante.
-O investimento da riqueza na Idade Média. O intercâmbio de mercadorias. As cruzadas e o comércio. Mercados e feiras.
Durante a Idade Média, produtos como alimentos, vestes e utensílios eram adquiridos no próprio feudo. No início do feudalismo, as negociações econômicas não tinham o capital como determinante. Cada aldeia feudal era praticamente autossuficiente. O senhor feudalmantinha em sua casa os servos que demonstrassem bons rendimentos quanto à fabricação de objetos úteis a casa e a sua família. A troca de excedentes também era comum, mesmo a produção de excedentes sendo reduzida.
Vários fatores contribuíram para o comércio não se difundir nesse momento: não havia incentivo à produção de excedentes, as estradas se encontravam em péssimas condições e a diferença demoedas, pesos e medidas. Porém esse estado de dificuldades comerciais se alterou a partir do século XI. As Cruzadas propiciaram uma ascensão do comércio, pois os cruzados, ao regressarem de suas jornadas ao ocidente, vinham com o gosto pelas comidas e roupas requintadas que haviam apreciado. Essa procura abriu portas para o mercado desses produtos.
As guerras de fronteiras contra os muçulmanos e...
tracking img