Histologia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2837 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Geisica T. Souza

Ánalise Histológica

Trabalho apresentado à disciplina de Histologia, prof. Thiago Fujita.

Londrina
2012

INTRODUÇÃO
Vários são os métodos de estudos dos tecidos, variando de análises
denominadas in vivo até as que utilizam tecidos mortos. O método mais comum
usado emhistologia permite a obtenção de preparados permanentes (lâminas) para
estudo ao microscópio óptico. Nesse instrumento os objetos são examinados por
transparência e, como órgãos muito delgados são raros, a maioria precisa ser
reduzida a cortes finos, suficientemente transparentes para serem examinados ao
microscópio. Estes cortes são feitos com um equipamento denominado micrótomo,
mas antes deserem cortados os tecidos devem passar por uma série de
tratamentos.

1. Coleta da Amostra
A primeira etapa de todo o processo de preparação de uma lâmina histológica
consiste em coletar a amostra, ou seja, obtê-la e isto pode ser feito de cinco
diferentes maneiras:

a) Biópsia cirúrgica – obtenção da amostra de tecido ou órgão através de uma
incisão cirúrgica;
b) Biópsiaendoscópica – usada para órgãos ocos (estômago, intestino, etc)
através de endoscopia;
c) Biópsia por agulha – a amostra (cilindro) é obtida pela punção do órgão
(fígado, pulmão), sem precisar abrir a cavidade natural;
d) Cirurgias amplas (radicais) – a amostra corresponde a peças grandes (ex.
tumores) ou órgãos (ex. mama, útero);
e) Necrópsia – procedimento utilizado para estudo anatômicode todos os órgãos
ou tecidos, no organismo morto.
A retirada dos órgãos de animal após o óbito ou peças cirúrgicas humanas deve
ser feita rapidamente para evitar a autólise dos tecidos, e o fragmento deve ser
colocado em uma solução fixadora. As peças cirúrgicas grandes ou de autópsia
devem ser clivadas previamente para reduzir sua espessura permitindo a penetração
fácil do fixador.2. Fixação e Fixadores
A fixação é um processo que impede a autólise do tecido e evita que ele se
deteriore pela ação bacteriana, podendo ser física (utilizando-se o calor ou o frio) ou
química. Na fixação química os tecidos são geralmente imersos em soluções de
agentes denaturantes ou de agentes que estabilizam as moléculas formando pontes
com moléculas vizinhas. Os tecidos devem sercortados em fragmentos pequenos
antes de serem imersos no fixador para que ocorra uma melhor difusão deste pelo
tecido, garantindo a preservação das estruturas. Alternativamente, pode ser utilizada
a perfusão intravascular do fixador, que deste modo alcança a intimidade dos
tecidos rapidamente pelos vasos sanguíneos.
O processo de fixação tem por objetivo facilitar os processos posterioresde
coloração, pois muitos corantes apresentam maior afinidade pelo substrato fixado,
além de promover um enrijecimento dos órgãos e tecidos.
Os fixadores reagem com diferentes componentes celulares promovendo a
estabilização molecular de proteínas, ácidos nucléicos, polissacarídeos, lipídeos
entre outros. Eles atuam coagulando essas moléculas ou tornando-as insolúveis e
assimprecipitando-as nos tecidos de origem.
Há vários tipos de fixadores que podem ser empregados nas técnicas
histológicas, como acetona, álcool etílico, metílico e terc-butílico, aldeídos
(formaldeído, glutaraldeído, paraformaldeído), tetróxido de ósmio, ácido pícrico,
ácido crômico e bicloreto de mercúrio. Os reagentes utilizados na precipitação de
proteínas são o cloreto de mercúrio e o ácidopícrico. Já os que coagulam estas
macromoléculas são: o formaldeído (o mais utilizado, conhecido como fixador
universal), tetróxido de ósmio e o glutaraldeído. No entanto, é importante ressaltar
que essas soluções podem ter seu poder de fixação potencializado se associadas
umas as outras constituindo as “misturas fixadoras”. Os fixadores aditivados fixam
em tempos reduzidos que variam...
tracking img