Histologia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1575 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 8 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE – UNICENTRO
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS















DISCIPLINA: HISTOLOGIA


Profa. Maria Eliza Tomotake





EXERCICIO COMPLEMENTAR


Métodos e Técnicas em Histologia e a Interpretação de cortes histológicos





OBS:


objetiva a sedimentação dos conteúdos teóricos.


o exercício entregue atéa data, somará 0,2 (dois décimos) à nota semestral.


a atividade é individual, e não será devolvido, portanto tenha sua cópia.


a ser entregue, MANUSCRITO. No horário da aula


Turma A = dia 10 de abril


Turma B = dia 11 de abril


Obs: não esqueça de colocar o nome, série e turma.




Literatura sugerida para consulta:
CORMACK, D. K. Fundamentos deHistologia, 1 ed. Rio de janeiro: Guanabara Koogan, 2003, 380 p.
FAWCETT. D. W. Tratado de Histologia, 12 ed. Mac Graw-Hill/Interamericana, 1997, 1044 p.
GARTNER, L. P., HIATT, J. L. Tratado de Histologia, 5ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010, 452p.
JUNQUEIRA, L.C., CARNEIRO, J. Histologia Básica. 10ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009, 433 p.

MÉTODOS E TÉCNICAS DE OBTENÇÃO DECORTES
PREPARAÇÃO DE LÂMINAS PERMANENTES

As células isoladas de um organismo podem ser estudadas por um determinado tempo, se conservadas em meio isotônico. As células podem também ser cultivadas em meio de cultura e observada in vivo, sendo esta técnica muito útil no estudo de movimentos celulares e de divisão celular.
A maior parte dos tecidos não pode ser observada in vivo. Devido aesse fato, elas devem ser submetidas a processos de fixação para que suas estruturas morfológicas mantenham-se preservadas. Vários processos degenerativos de autólise celular ocorrem logo após a morte dos tecidos. Seu conjunto recebe o nome de degeneração post-mortem. Para evitar essa autólise que inicia após a morte dos tecidos e a própria digestão do material por bactérias decompositoras, devem-seempregar substâncias que, ao se ligar aos principais componentes estruturais do tecido (geralmente proteínas), mantenham a estrutura do material a ser estudado. Esse processo de preservação dos componentes estruturais dos tecidos denomina-se fixação. As substâncias que executam o processo de fixação são chamadas fixadores. O mecanismo de ação dos fixadores é pouco conhecido e todos possuemvantagens e desvantagens. Os cientistas desenvolveram misturas empíricas de fixadores para compensar suas principais desvantagens. Os principais fixadores são: formol, líquido de Bouin, líquido de Helly, aldeído glutárico e tetróxido de ósmio.
Para que os componentes do tecido possam ser visualizados, a luz deve atravessá-los. Isto limita a espessura dos cortes a poucos micrometros. A fim de que ostecidos suportem o processo de corte, devem ser impregnados com parafina ou resinas epóxi (caso o corte seja mais delgado, utilizado em microscopia eletrônica). Esse processo chama-se impregnação. Antes da impregnação, a peça deve passar pelos processos de desidratação e diafanização.
Como as células em geral são incolores e transparentes, emprega-se corantes supra- vitais, que destacamdeterminadas estruturas celulares, considerando sua constituição química.
Substâncias basófilas e acidófilas - HE: a principal técnica de coloração de tecidos para o estudo de Histologia básica é a técnica HE (Hematoxilina-Eosina). Através dessa técnica, podemos diferenciar porções basófilas e acidófilas do tecido estudado. Os componentes dos tecidos que se coram com corantes básicos são chamadosbasófilos, sendo chamados de acidófilos os que se ligam a corantes ácidos. A hematoxilina é básica, ou seja, tem afinidade por componentes celulares ácidos. Sendo assim, ela costuma corar em azul, os núcleos e o Retículo Endoplasmático Rugoso. A eosina é ácida, tendo afinidade pelo citoplasma, fibras colágenas e outras substâncias básicas das células, consideradas componentes acidófilos da célula....
tracking img