Gramatica universalista

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2839 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 28 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
As bases filosóficas da
gramática normativa: uma
abordagem histórica

Marlene Silva Sardinha Gurpilhares

resumo

o trabalho mostra que a gramática normativa (tradicional) foi elaborada a partir de
critérios filosóficos. Desde a sua origem,
na Antiguidade Clássica (séc. II ou III a.C.)
até nossos dias, apesar dos diferentes paradigmas sócio-culturais, ela mantém essa
característica.Foram examinados alguns
aspectos de uma gramática do séc. XIX como
exemplificação.

Palavras-Chave
Gramática - História da
gramática - Gramática-filosofia Gramática século XIX.

Objetivo

Este trabalho tem como objetivo mostrar que a gramática tradicional surgiu como uma parte da filosofia, isto é, uma parte de sua
indagação geral sobre a natureza do mundo e das suas instituiçõessociais, perspectiva que se mantêm, mesmo nos contextos sócio-culturais
posteriores. A título de exemplificação, utiliza-se uma gramática do
século XIX, marcado pelos movimentos evolucionistas, que estimulavam
a busca das leis da evolução em todas as ciências sociais, para mostrar
que, mesmo num contexto adverso, as bases filosóficas se mantêm.
Origem da gramática tradicional
Os antigos gregos“Foi na Grécia, por volta do séc.”.V a.C., que se iniciaram, como
ramo da filosofia, os estudos lingüísticos que, desenvolvidos pelos
romanos, pelos trabalhos especulativos da Idade Média e pelo estudo
normativo dos gramáticos dos períodos subseqüentes, constituem o
que no ocidente se tem chamado “gramática tradicional.” (Lobato,
janus, lorena, ano 1, nº 1, 2º semestre de 2004

43 1986:77/79)
O estudo gramatical na Grécia antiga pode ser visto como constituído de três períodos principais: (1) o que se iniciou com os filósofos
pré-socráticos e os primeiros retóricos, e continuou com Sócrates,
Platão e Aristóteles; (2) o período dos estóicos; e (3) o período dos
alexandrinos. No primeiro período, a língua não era uma preocupação
independente, encontrando-se esparsa na obra decada pensador
do período. A informação que se tem dos filósofos pré-socráticos, os
primeiros retóricos e Sócrates, é indireta .Quanto a Platão, escreveu
um diálogo (Crátilo) todo dedicado a questões lingüísticas. Nesse diálogo ele debate a questão da origem da língua e trata da controvérsia
entre naturalistas e convencionalistas:ou seja, haveria, ou não, uma
relação natural entre o significadoda palavra e sua forma? O restante
de sua obra também contém referências à língua, embora não seja
a ela dedicado.De qualquer modo não escreveu nenhum compêndio
gramatical. Quanto a Aristóteles, tampouco escreveu um tratado sobre a língua, e seu pensamento lingüístico está esparso em sua obra
retórica e lógica.
Os que acreditavam ser “natural” a relação entre o significado
da palavra e suaforma, foram chamados de naturalistas, e os que
acreditavam ser uma relação “convencional”, foram chamados convencionalistas.
Essa disputa prolongou-se por séculos, evoluindo, mais tarde, a
partir do século II a.C. para a discussão sobre até que ponto a língua
é regular. A palavra grega para regularidade era “analogia”, e para
irregularidade, “anomalia”. Daí nova disputa entre analogistas xanomalistas.
Os analogistas esforçam-se por estabelecer modelos de referências
para classificar as palavras regulares, nascendo aí o termo “paradigma”,
incorporado à gramática.
Coube também a Platão a distinção clara entre “substantivos e
verbos”. Segundo ele os substantivos funcionavam como sujeitos de
um predicado, e os verbos como termos que expressam a ação ou
afirmam a qualidade. Diz-seque essas definições estão associadas à
distinção sujeito/predicado. Tais definições foram feitas sobre fundamentos lógicos, isto é, como constituintes de uma proposição, ou seja,
sujeito é aquele de que se afirma; atributo é o que afirma; a ligação é o
verbo. Sendo assim, a estrutura do juízo, como associação predicativa
de dois conceitos (proposição) serviria de base à definição do...
tracking img