Gilles deleuze

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1136 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de março de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Gilles Deleuze nasceu em Paris, 18 de janeiro de 1925.

Filho mais moço de um engenheiro.

Estudou no Liceu Carnot em Paris e após a conclusão matriculou-se em Sorbone, para
estudar Filosofia.

Deleuze apresentou sua tese de doutorado, em 1968, quando já era um professor
experiente e reconhecido, com vários livros publicados.

Entre 1948 e 1957 foi professor de Filosofia naeducação média francesa.

Em 1957 ingressou na carreira universitária, sendo que até 1969 exerceu diversos cargos.

Em 1969, foi nomeado, por indicação de Michael Foucault, professor na recém-criada
Universidade de Paris VIII – Vincennes, onde permaneceria até sua aposentadoria em1987.

Morreu em novembro de 1995.

Deleuze dizia que em Vincennes, a situação era diferente. Um professor defilosofia
fala para um público diversificado que inclui matemáticos, músicos, psicólogos,
historiadores, etc.

Ele dizia que esse público ia buscar algo ao curso por conta própria.
O ensino da filosofia iria orientá-los diretamente na questão de saber em que a
filosofia poderia ser a matemáticos, aos músicos, etc. Mesmo quando ela não fala de
matemática ou de musica.

Deleuze nuncafoi um homem da mídia, à moda de um Sartre ou de um Foucault. De
espírito retraído, nunca gostou de viajar, de estar em congresso, de dar entrevistas.
Mas foi um grande professor, em Vincennes.

Deleuze definia as aulas que ministrava como parte de sua vida, ele dava aulas com
paixão.

Na sua vida privada os encontros com Denise Paule Grandjouan (conhecida depois por
FannyDeleuze), com quem se casou em 1956 e teve dois filhos.

Na divulgação de sua obra, foi importante o encontro com a jornalista Claire Parnet,
com ela escreveu Diálogos em 1977. Pernet concebeu e produziu uma série de
entrevistas com Deleuze, já bastante debilitado pela doença.

Na filosofia, dois encontros foram determinantes. O primeiro em 1962, com Michael
Foucault em Cledmont-Ferrand. Aamizade nasceu com uma afinidade filosófica: o
interesse por Nietzsche; os dois seria responsáveis pela edição crítica das obras
completas do filósofo alemão em francês, entre 1966 e 1967.

Esta amizade resultou em uma série de artigos: Foucault comenta Deleuze, Deleuze
comenta Foucault. Em 1970, Foucault escreveu um artigo “Theatrum Philosohicum”,
no qual comenta dois livros de Deleuze:Diferença e repetição e Lógica do Sentido,
e lança uma frase que se tornaria famosa: “Um dia, talvez, o século será deleuziano.”

A amizade se estende pelas opções políticas de esquerda e pelo ativismo, mas é
também a política que os afasta: divergência de concepções políticas e de militância,
que se agravam no final de 1977,fazendo com que os dois nunca mais voltem a seencontrar.

O segundo encontro filosófico mais importante de Deleuze aconteceu em 1969 foi com
Félix Guatttarri.
Juntos produziram os dois magistrais volumes de Capitalismo esquizofrenia:
O Anti-Édipo, em 1972, e Mil Platôs, em 1975.

Um encontro também de importância na construção de sua obra filosófica foi com o
cinema que resultou numa obra de dois volumes.
A literatura que resultou emdiversos ensaios.
E seu encontro crítico com a psicanálise.

Deleuze aos poucos foi perdendo seus intercessores:
Em 1984, morreu Foucault.
Em 1992, morreu Guattarri.

Logo depois de publicar O que é Filosofia?, sua doença se agravou, sofria de uma
insuficiência pulmonar que lhe tirava as possibilidades de uma vida ativa. Aos poucos,
viu-se obrigado a abandonar todas as suas relaçõessociais e, por fim, suas atividades
de escrita.

Sentindo suas virtualidades e sua forças esvaídas, Deleuze pôs fim à sua vida: jogou-se
da janela de seu apartamento em Paris, em 04 de novembro de 1995.

No quadro da multiplicidade da filosofia contemporânea francesa, pode-se dizer que
Gilles Deleuze foi o filosofo da multiplicidade. O próprio Deleuze inicia um de seus
últimos...
tracking img