Fundamentos dos cuidados paliativos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 16 (3986 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 18 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE DOS AÇORES ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE ANGRA DO HEROÍSMO

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS PALIATIVOS

Reflexão Crítica

Unidade Curricular 1 – Fundamentos dos Cuidados Paliativos

JANEIRO, 2011

Reflexão Crítica

“Eu importo-me pelo facto de tu seres tu, importo-me até ao último momento da tua vida e faremos tudo o que está ao nosso alcance, não somente para ajudar-te amorrer em paz, mas também para viveres até o dia da tua morte”. Cicely Saunders

2

Reflexão Crítica

ÍNDICE 1 – NOTA INTRODUTÓRIA .............................................................................. 4 2 – FUNDAMENTOS DOS CUIDADOS PALIATIVOS ................................... 5
2.1. DEFINIÇÃO DO CONCEITO DE CUIDADOS PALIATIVOS ....................................... 5 2.2. OSOFRIMENTO EM CUIDADOS PALIATIVOS........................................................... 8 2.3. ENFERMAGEM EM CUIDADOS PALIATIVOS .......................................................... 10

3 – CONSIDERAÇÕES FINAIS ........................................................................ 13 4 –BIBLIOGRAFIA........................................................................................... 15

3

Reflexão Crítica

1 – NOTA INTRODUTÓRIA
Os profissionais de saúde, nomeadamente os enfermeiros apresentam longa história de cuidados centrados na pessoa e na família. Nesses cuidados, uma das realidades mais difíceis com que nos deparamos é que, apesar de nossos melhores esforços, algumas pessoas morrerão. Embora não possamos alterar esse facto, podemos ter acções significativase individuais que vão interferir no modo pelo qual as pessoas encaram a sua própria finitude e as vivências da família em relação a esse momento. Actualmente, existe um grande esforço em modificar a cultura dos cuidados na fase terminal de vida, entendendo que existem diferenças na percepção dos doentes, familiares e profissionais de saúde quanto ao modo de vivenciar o fim da vida. Esse esforçotem sido demonstrado como uma área de estudos emergente denominada cuidado paliativo. A origem sobre esse conceito foi na Inglaterra em 1967, com Cicely Saunders, que fundou o primeiro “hospice”, em Londres, o Saint Christopher’s Hospice. Esse seria o início para uma nova filosofia sobre a abordagem do doente na fase terminal de vida. Na última metade do século XX a cura foi de tal forma“entronizada” como fim único da medicina, que quase se esqueceu o verdadeiro mandato da mesma: acompanhar os doentes em sofrimento, quer eles se curem quer não. O que os cuidados paliativos vieram retomar foi precisamente a necessidade de assegurar que os doentes em fim de vida não sejam incorrectamente tratados e votados a um sofrimento que ninguém deseja. A medicina moderna já tem hoje, através destescuidados verdadeiramente interdisciplinares, a resposta para que os doentes com doenças graves, avançadas e irreversíveis não estejam em sofrimento intolerável (Neto, 2010). Pretendemos, desta forma, reflectir sobre os cuidados paliativos com o intuito de nos tornar mais capazes de ajudar a dignificar o fim de vida e tornar mais solidária, avançada e informada a sociedade para que possa reclamaradequadamente este tipo de cuidados.

4

Reflexão Crítica

2 – FUNDAMENTOS DOS CUIDADOS PALIATIVOS

2.1. DEFINIÇÃO DO CONCEITO DE CUIDADOS PALIATIVOS
A pessoa que se encontra fora de possibilidades terapêuticas é rotulada como “terminal”. Este facto ainda presente na nossa sociedade traz a falsa ideia, de que nada mais pode ser feito. Porém, a pessoa em fase terminal está viva e temnecessidades especiais que, se os profissionais de saúde estiverem dispostos a descobrir quais são, podem proporcionar conforto durante essa vivência. Neste contexto, deparamo-nos frequentemente com a ideia de que “quando já não se cura uma doença, já não há nada a fazer…”. Nós, enquanto enfermeiros sabemos que esta afirmação não é, de todo, totalmente verdadeira. Reconhecemos que, embora, não haja mais...
tracking img