Fitogeografia de uma floresta estacional semidecidual do sudoeste do paraná.

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2267 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 25 de fevereiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Fitogeografia de uma floresta estacional semidecidual do sudoeste do Paraná.

SUMÁRIO



1 Introdução 3


2. Materiais e Métodos 4


3. Resultados e discussões7


4. Conclusão 10


5. Avaliação da pratica 10

REFERÊNCIAS11
1 Introdução

Fitogeografia é uma disciplina multidisciplinar que versa sobre a distribuição geográfica dos vegetais e de comunidades nas diversas regiões do globo conforme as zonas climáticas e fatores que possibilitam a sua adaptação, principalmente fatores do meio físico. Afitogeografia pode ser dividida em fitogeografia florística e fitogeografia ecológica. A fitogeografia florística estuda a distribuição de um táxon específico em função de sua história evolutiva, já a fitogeografia ecológica estuda a distribuição de comunidades de plantas ou de um táxon em decorrência das condições atuais do ambiente. A fitogeografia atualmente adquiriu novos métodos de investigaçãoutilizando-se de técnicas de geoprocessamento e cartografia para mostrar a dinâmica dos vegetais e da cobertura vegetal no espaço geográfico.
A distribuição das plantas e de suas comunidades depende de vários fatores como: luz, água, temperatura, solo, ventos e interações biológicas. A ação do homem tem modificado as paisagens naturais do planeta, influenciando a distribuição de organismos em toda parteda Terra.
No Brasil, a Floresta Estacional Semidecidual (FES), conforme classificação da vegetação proposta por Veloso et al. (1991), é uma formação representada por florestas variáveis fisionomicamente, constituídas por elementos arbóreos (perenifólios ou decíduos), além de elementos arbustivos, lianas e epífitas. Está relacionada em toda a sua área de ocorrência a um clima de duasestações definidas, uma chuvosa e outra seca, em latitudes menores, ou então a uma acentuada variação térmica, especialmente em latitudes maiores que 24ºS. Tais características climáticas são apontadas como fatores determinantes de uma forte estacionalidade foliar dos elementos arbóreos dominantes, como resposta ao período de deficiência hídrica, ou à queda de temperatura nos meses mais frios. Na área declima subtropical, como é o caso da maior parte do sul do Brasil, ocorre um período com acentuada diminuição térmica (+/- 15ºC), sem apresentar um período de seca pronunciado (Veloso et al. 1991).
A floresta estacional semidecidual constitui a vegetação típica do bioma da Mata Atlântica, estando condicionada pela dupla estacionalidade climática, perdendo parte das folhas (20 a 50%) nosperíodos secos. É constituída por fanerófitos com gemas foliares protegidas da seca por escamas (catáfilos ou pêlos), tendo folhas adultas esclerófilas ou membranáceas deciduais. O grau de decidualidade, ou seja, a perda das folhas é dependente da intensidade e duração de basicamente duas razões: as temperaturas mínimas máximas e a deficiência do balanço hídrico.
A floresta da regiãocaracteriza-se por árvores que atingem até 30 metros de altura, sem formar cobertura superior contínua (“árvores emergentes”), cujos troncos são grossos e de fuste longo, geralmente terminado por largo engalhamento ascendente (Veloso et al. 1991). Maack (1981) relatou a expressividade do palmito (Euterpe edulis), de lianas e epífitas nesta formação, características igualmente mencionadas por IBDF (1984),...
tracking img