Fichamento de resumo sobre tartarugas marinhas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1005 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 20 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Universidade Estadual de Feira de Santana
Departamento de Ciências Biológicas
Disciplina Metodologia da Pesquisa
Professora Alessandra
Aluna: Olga Maria Oliveira Nunes

Fichamento de Resumo

GOMES, Márcio G. Teixeira; SANTOS, Marcelo Renan de Deus; HENRY, Marc

Tartarugas marinhas de ocorrência no Brasil: hábitos e aspectos
da biologia da reprodução
Sea turtles of Brazil: habits andaspects of the reproduction biology

Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.30, n.1/2, p.19-27, jan./jun. 2006. Disponível em www.cbra.org.br

http://www.cbra.org.br/pages/publicacoes/rbra/download/RB056%20Gomes%20p19-27.pdf
Pesquisado em 04/02/12

As tartarugas marinhas pertencem à mais antiga linhagem de répteis vivos, existindo relatos que comprovam sua presença na Terra há mais de 200milhões de anos, época correspondente ao período Triássico. Por esta razão, as tartarugas são consideradas um manancial genético para estudos evolucionistas.
Nos últimos duzentos anos, e de maneira mais intensificada nos últimos cinqüenta, uma combinação de fatores, tais como a sobrepesca comercial, a captura acidental, a destruição de habitats usados para alimentação, nidificação e repousodesses animais, e mais recentemente, a poluição dos mares conseguiram subjugar a capacidade das tartarugas em manter seu número populacional. Hoje são escassas as populações de tartarugas marinhas não afetadas pela depredação humana. A maioria das populações encontra-se em declínio, atingindo freqüentemente números críticos, sendo que muitas já se extinguiram (Global, 1995).
Todas as espécies queocorrem no Brasil estão classificadas como Ameaçadas ou Vulneráveis na Lista Vermelha da IUCN (União Mundial para a Conservação da Natureza) (Barata et al., 2004). São as seguintes as espécies de ocorrência no Brasil: Caretta caretta; Eretmochelys imbricata; Chelonia myda; Lepidochelys olivácea; Dermochelys coriacea
O sistema urogenital é formado pelos rins, ureteres, gônadas e seus ductos,vesícula urinária e estruturas derivadas da papila genital (pênis e clitóris), presentes no interior da cloaca (Wyneken, 2001). As gônadas, ovários e testículos, produzem os gametas sexuais, e seus ductos transportam os ovos e espermatozóides até a cloaca (Lutz e Musick, 1997).

O trato reprodutor feminino consiste em um par de ovários e ovidutos, e seus respectivos ligamentos mesentéricos (mesovário,mesosalpinge e mesotubário). (Hamann et al., 2003). O trato reprodutor masculino consiste em um par de testículos, epidídimos e ductos deferentes, ligamento suspensório, o mesórquio, presente ao longo de toda parede testicular, e um pênis (Wyneken, 2001). Os testículos, epidídimos e ductos deferentes mudam de tamanho e forma com o passar da idade até atingirem a maturidade sexual, sendo notadasmudanças nas suas morfologias entre as estações de reprodução. Os testículos de machos imaturos apresentam um comprimento duas vezes maior do que o diâmetro e são preenchidos por um fluido esbranquiçado. O pênis é retrátil e localiza-se no assoalho da cloaca. (Wyneken, 2001).
A reprodução das tartarugas marinhas é um processo sazonal e complexo, que envolve freqüentemente longas migrações dasáreas de forrageamento para as áreas de acasalamento (Miller,1997).As fêmeas podem permanecer acasalando-se por até 25h, copulando com vários machos diferentes (Owens, 1980), podendo o processo de cortejo sexual prévio à cópula durar várias horas (Hirth, 1980).
Após o acasalamento, os machos retornam às áreas de forrageamento, enquanto as fêmeas permanecem nos sítios reprodutivos para a realização dasposturas (Hirth, 1980).
As fêmeas de tartarugas marinhas realizam, em média, duas (Lepidochelys kempi) a seis (Dermochelyscoriacea) posturas por temporada reprodutiva), sendo estas geralmente de ocorrência noturna. O intervalo entre desovas de uma fêmea não é rigorosamente anual, intervalos de dois, três, quatro e até nove anos entre desovas são freqüentemente observados (Hamann et al.,...
tracking img