Etanol da beterraba

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1608 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 3 de julho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Projeto francês do etanol da beterraba é inspirado no brasileiro
Produtores do Brasil e da Europa passam por conflitos e parcerias.
Custo de produção do açúcar diferencia muito os dois produtos.
Do Globo Rural
imprimir

Em tempos de safra, a usina de Origny Sainte-Benoîte recebe 20 mil toneladas de beterraba por dia. As raízes chegam das fazendas dos agricultores que são sócios dacooperativa. A primeira etapa é uma lavagem caprichada do produto.
Depois do banho, as beterrabas são levadas para dentro da usina. Quase toda a fabricação do açúcar ocorre em equipamentos fechados. Numa máquina, a beterraba é cortada em tiras finas e compridas. O material segue por esteiras e é levado para um esse grande tambor giratório.
Uma corrente de água quente entra em contato com as tiras debeterraba. Aos poucos, a água absorve o açúcar das raízes e do tambor sai um suco bem doce, que é a base para a fabricação do açúcar. Na sequência, o suco beterraba é bombeado pra enormes tonéis. Dentro deles, com temperaturas elevadas, ocorre a formação dos cristais de açúcar.
No final da cristalização, já dá pra ver o açúcar de beterraba, totalmente branco. Atualmente, 80% da produção das usinasfrancesas é vendida pras indústrias de alimentos, que usam o produto em biscoitos, massas, bolos. Os outros 20% viram açúcar de mesa, que na França é tradicionalmente consumido em cubinhos.
O gosto é igual ao do açúcar de cana. “São dois produtos à base de sacarose. O açúcar refinado de cana é equivalente ao de beterraba”, explica Philippe Pelzer, diretor de comunicação da Tereos.
Apesar dasemelhança de sabor e de visual, o custo de produção diferencia muito os dois produtos. Para fazer uma tonelada de açúcar refinado de beterraba, os franceses têm um custo equivalente a R$ 1.100. Já o mesmo tipo de açúcar, saindo de uma usina de cana do Brasil, custa aproximadamente a metade desse valor. Além de ser mais barato, o nosso açúcar é produzido em quantidades muito maiores.
Os países daUnião Européia cultivam juntos 1,4 milhão hectares de beterraba, contam com 106 usinas em atividade e produzem 14 milhões toneladas de açúcar por ano. Já o Brasil, sozinho, tem oito milhões de hectares de cana, 440 usinas em operação e fabrica anualmente 38 milhões toneladas de açúcar. É o maior produtor e o maior exportador mundial do produto. Esta superioridade incomoda e gera conflitos.
ÉricLainé, presidente da Confederação Nacional dos Produtores de Beterraba, entidade que representa agricultores e usineiros do país fala sobre esta desigualdade. “Atualmente, não temos condição de competir de igual pra igual com o Brasil. Nem nós, os franceses, que somos o país mais produtivo da União Européia, e nem a Europa de maneira geral. Nós simplesmente não temos a mesma competitividade doBrasil”.
Segundo Éric Lainé, alguns pontos são decisivos pra que o açúcar brasileiro seja mais barato. Enquanto a beterraba precisa ser replantada todos os anos por sementes, os canaviais só precisam ser renovados a cada seis anos, uma vantagem em termos de custos. A safra da beterraba, na Europa, dura menos de um trimestre. A de cana, no Brasil, se espalha por nove meses, o que garante o funcionando dasusinas por mais tempo.
Outra diferença central vem de um subproduto da cana, o bagaço, usado para gerar eletricidade. Todas as usinas do Brasil têm termoelétricas próprias, são autossuficientes em energia e, muitas, vendem a eletricidade que sobra. Uma energia barata e renovável. Já as usinas de beterraba normalmente geram eletricidade queimando carvão mineral, gás ou óleo diesel, fontes maissujas, não renováveis, e que encarecem o custo do açúcar.
Por isso, pra evitar uma invasão do produto brasileiro, os europeus utilizam barreiras tarifárias, que encarecem o preço do açúcar e na prática inviabilizam o negócio. “O Brasil nos estimula e nos força a melhorar a nossa produtividade. Afinal, eu devo dizer claramente: nós não queremos importar açúcar do Brasil, pois achamos que a União...
tracking img