Estudo das cores e da visao

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1163 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 22 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Exercício de revisão de Teoria da Cor

O Estudo das Cores e da Visão
“Dos Filósofos gregos a Leonardo da Vinci e aspectos fisiológicos da Visão”

As Cores
Cor é como o olho (dos seres vivos animais) interpreta a reemissão da luz vinda de um objeto que foi emitida por uma fonte luminosa por meio de ondas eletromagnéticas; e que corresponde à parte do espectro eltromagnético que é visível).A Cor não é um fenômeno físico. Um mesmo comprimento de onda pode ser percebido diferentemente por diferentes pessoas (ou outros seres vivos animais), ou seja, cor é um fenômeno subjetivo e individual.
As cores para os egípcios
A arte egípcia, à semelhança da arte grega, apreciava muito as cores. As estátuas, o interior dos templos e dos túmulos eram pronfudamente coloridos. Porém, a passagemdo tempo fez com que se perdessem as cores originais que cobriam as superfícies dos objetos e das estruturas.
As cores não cumpriam apenas a sua função primária decorativa, mas encontravam-se carregadas de simbolismo, que se descreve de seguida:
* Preto (kem): era obtido a partir do carvão de madeira ou de pirolusite (óxido de manganésio do deserto do Sinai). Estava associado à noite e àmorte, mas também poderia representar a fertilidade e a regeneração. Este último aspecto encontra-se relacionado com as inundações anuais do Nilo, que trazia uma terra que fertilizava o solo (por esta razão, os Egípcios chamavam Khemet, "A Negra", à sua terra). Na arte o preto era utilizado nas sobrancelhas, perucas, olhos e bocas. O deus Osíris era muitas vezes representado com a pele negra, assimcomo a rainha deificada Ahmés-Nefertari.
* Branco (hedj): obtido a partir da cal ou do gesso, era a cor da pureza e da verdade. Como tal era utilizado artísticamente nas vestes dos sacerdotes e nos objetos rituais. As casas, as flores e os templos eram também pintados a branco.
* Vermelho (decher): obtido a partir de ocres. O seu significado era ambivalente: por um lado representava aenergia, o poder e a sexualidade, por outro lado estava associado ao maléfico deus Set, cujos olhos e cabelo eram pintados a vermelho, bem como ao deserto, local que os Egípcios evitavam. Era a vermelho que se pintava a pele dos homens.
* Amarelo (ketj): para criarem o amarelo, os Egípcios recorriam ao óxido de ferro hidratado (limonite). Dado que o sol e o ouro eram amarelos, os Egípcios associaramesta cor à eternidade. As estátuas dos deuses eram feitas a ouro, assim como os objetos funerários do faraó, como as máscaras.
* Verde (uadj): era produzido a partir da malaquite do Sinai. Simboliza a regeneração e a vida; a pele do deus Osíris poderia ser também pintada a verde.
* Azul (khesebedj): obtido a partir da azurite (carbonato de cobre) ou recorrendo-se ao óxido de cobalto.Estava associado ao rio Nilo e ao céu.
A cor para os fiósofos gregos:
Antiguidade
Platão – Explica a formação do branco do preto e das outras cores a partir da reunião de fogo visual proveniente do olho e dos corpúsculos provenientes dos objetos;
Aristóteles - Autor do mais antigo estudo sobre as cores, concluiu que elas eram uma propriedade dos objetos. Assim como peso, material, textura, elestinham cores. E, pautado pela mágica dos números, disse que eram em número de seis, o vermelho, o verde, azul, amarelo, branco e preto.

Idade Média
Alhazen - Descobriu as leis da refracção e fez as primeiras experiências sobre a dispersão de luz nas suas cores constituintes.
Robert Grosseteste - foi o primeiro a fazer distinção entre cores acromáticas e cromáticas.

Idade Moderna
JohannesKepler estudou a relação entre luz e cor e defendia que só existia a luz branca.
René Descartes – segundo ele, as cores sao formadas pelas combinações de velocidade de rotação, em movimento retilineo, dos globulos. Tentou, sem sucesso, explicar a formação do arco-iris.
Christiaan Huygens – Definiu que a luz propaga-se por meio de ondas, do mesmo modo que o som.
Robert Hooke – Defendia que só...
tracking img