Esquizofrenia refrataria - aula da pos grad

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1190 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 15 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
19/09/2011

Cronicidade X Refratariedade
Faculdade de
Ciências Médicas

Esquizofrenia é uma doença crônica
80 a 90% dos pacientes desenvolvem alguma forma de disfunção
social ou ocupacional

Exemplos de doenças crônicas: diabetes e HAS
Apesar da cronicidade, os pacientes respondem ao tratamento e
permanecem estáveis com as mesmas doses de hipoglicemiantes e
antihipertensivosRefratariedade não é resultante da falta de aderência ao tratamento,
nem do “nada a ser feito”

ESQUIZOFRENIA REFRATÁRIA
(RESISTENTE AO TRATAMENTO)

Doente resistente ao tratamento X Doença resistente ao tratamento
Recuperação incompleta talvez seria um termo mais adequado que
refratário ao tratamento

Kátia Petribú

Elkis H, 2007

O que não é refratariedade?

Resposta X Remissão XRecuperação

Condições em que há resistência aparente ao
tratamento ou recuperação incompleta e que deve
ser diferenciada da esquizofrenia refratária

Resposta ao tratamento
Redução da gravidade dos sintomas

Remissão
Ausência praticamente total da sintomatologia por um período de
tempo
Na esquizofrenia, é definida como um período mínimo de 6 meses no
qual os sintomas psicóticos, ossintomas de desorganização e os
sintomas negativos estão em níveis baixos de gravidade clínica
avaliado por determinada escala

Recuperação
Ausência da doença por um longo período

Não aderência
Ausência de suporte da família
Abuso de substância
Comorbidade física
Efeitos adversos intoleráveis
Esquema de dosagens incorreto
Aliança terapêutica inadequada

Elkis H, 2007

EsquizofreniaRefratária

Elkis H, 2007

Critérios de refratariedade pelo IPAP

20 a 30% dos pacientes esquizofrênicos não respondem
ao tratamento com antipsicóticos convencionais
Alguns autores mencionam taxas de até 60%

Elkis H, 2007

Ausência de resposta a pelo menos 2 antipsicóticos de
classes químicas diferentes por pelo menos 4-6 semanas
cada
doses equivalentes ≥ 400 mg/d de clorpromazina ou 5mg/dia de risperidona)

Nenhum período de bom funcionamento nos 5 anos
anteriores

www.ipap.org

1

19/09/2011

Critérios de refratariedade pelo IPAP
Considerar ausência de resposta ao tratamento após 2
tentativas adequadas com antipsicóticos se:
Sintomas psicóticos persistem
Sintomas de humor recorrentes presentes
Risco de suicídio
Comportamento agressivo incontrolávelSintomas negativos moderados a graves
Prejuízo cognitivo moderado a grave

www.ipap.org

Impacto da Esquizofrenia Refratária
Maior gravidade psicopatológica
Várias reinternações
Pior qualidade de vida
Maiores perdas cognitivas
Maiores taxas de suicídio
Prejuízo social e laboral na vida dos pacientes e
familiares
Alto custos financeiros – usam mais recursos de
saúde mental

O queconsiderar no acompanhamento do paciente
com esquizofrenia?
Considerar a resposta ao tratamento como um
continuum, reconhecendo que muitos pacientes
melhoram parcialmente, porém ainda apresentarão
importantes sintomas positivos e/ou negativos que
impactam no nível de funcionamento, integração
psicosocial e qualidade de vida
Não há melhora de um modo geral ou há melhora
insuficiente nos principaissintomas
Pantelis et al, 2003
Elkis H, 2007

Bressan e Pilowsky, 2000

Esquizofrenia e suicídio

Mortalidade na Esquizofrenia
O suicídio perfaz aproximadamente 10% das causas de morte entre os
esquizofrênicos
Fatores de risco para suicídio entre esquizofrênicos são:
Comportamento suicida prévio
Uso de drogas
Eventos relacionados com perdas recentes
Aderência ao tratamentoMecanismos que explicam a maior mortalidade natural em
esquizofrênicos
Estilos não saudáveis
Polifarmácia
Cuidados médicos inadequados

Mamo DC, 2007
Meltzer et al, 2003
Tandom R, 2005
Hennen et al, 2005

Aproximadamente 50% dos pacientes com esquizofrenia
tentam o suicídio e cerca de 10% morrem por essa causa
Indivíduos portadores de esquizofrenia que tentam
suicídio apresentam maior...
tracking img