Espiritismo no brasil

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 106 (26293 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 13 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
CAPÍTULO I - BREVE HISTÓRIA DO ESPIRITISMO NO MUNDO E NO BRASIL.
1.1. O Espiritismo no mundo.
1.1.1. A crença na possibilidade de comunicação entre vivos e mortos [espíritos dos ancestrais] e na reencarnação é muito antiga. Ela é encontrada em todas as partes do mundo e em todos os tempos, excetuando algumas religiões modernas e a ciência materialista.
1.1.2. Durante o Século XIX, algunsfenômenos estranhos eram considerados como efeitos magnéticos ou elétricos. Eles consistiam de barulhos, batidas em mobílias e paredes, ou movimento de coisas como quadros, lustres, etc..
1.1.3. Em 1848 (1), no vilarejo Hydesville, próximo à cidade americana de Rochester, Condado de Monroe, Estado de Nova Iorque, esses fenômenos ocorriam na residência da família Fox. As pessoas que os presenciaramacharam que eram produzidos por espíritos de um morto. A imprensa divulgou esse fato pelo mundo e na França essas experiências foram repetidas, onde o professor Hippolyte Leon Denizard Rivail decidiu reunir as perguntas feitas aos espíritos e suas respostas a fim de estudá-las. Concluiu que elas formavam uma doutrina. Editou-as em livro em forma de perguntas e respostas. Denominou essa obra de “OLivro dos Espíritos” e o publicou em Paris, em 18 de abril de 1857. Ele chamou a doutrina ensinada pelos espíritos de “espiritismo” e de “espíritas” ou “espiritistas” seus profitentes. A partir dessa data, o professor Rivail apresentou ao mundo esses ensinamentos, usando sempre o pseudônimo de Allan Kardec. Publicou mais ainda quatro livros que formaram com o primeiro o pentateuco kardequiano. Alémdesses, publicou a “Revue Spirite” de 1858 a 1869 e o livro “O Que é o Espiritismo”. Depois de sua morte, seu editor publicou um volume intitulado “Obras Póstumas”. Há outra obra, intitulada “Obsessão”, atribuída a Kardec. Além dessas, há no Espiritismo outras de autores considerados por algumas pessoas como sendo discípulos dele (Gabriel Delane, Leon Denis, Camille Flamarion, Bozzano, etc.). Hátambém um vasto repertório de obras consideradas como mediúnicas de Ivone do Amaral Pereira, Francisco Cândido Xavier e Divaldo Pereira Franco. Nesses comentários utilizaremos o conteúdo de O Livro dos Espíritos e, às vezes, recorrendo a outras obras do Pentateuco Kardequiano. Consideramos imprudente basear qualquer comentário em obras publicadas após a morte do autor, uma vez que não podemosafirmar se era aquele conteúdo que desejaria publicar. Também não nos baseamos em obras de pessoas consideradas como “discípulos”, pois julgamos que fica difícil separar o que é do mestre e o que é deles. O mesmo aplicamos às obras mediúnicas. Em relação ao conteúdo dos vários números da “Revue Spirite”, opinamos que em caso de dúvida aceitamos o ensinamento dos livros do Pentateuco, pois esses têm umcaráter mais permanente que a revista.
1.2. O Espiritismo no Brasil (2).
1.2.1. No final dos anos 50 do Século XIX, franceses residentes no Rio de Janeiro tomaram conhecimento da obra de Kardec. Juntamente com o Marquês de Maricá, formaram um grupo de estudo. Em 1860, Casimir Lieutaud publicou no Rio de Janeiro o livro “Les Temps Sont Arrivés”.
1.2.2. Em 17 de dezembro de 1865, precisamenteàs 20h e 30 min, foi fundada a primeira instituição espírita no Brasil, por iniciativa do jornalista Olímpio Telles de Menezes. Houve adesões importantes.
1.2.3. A Doutrina Espírita tomou no Brasil uma feição religiosa. Muitas vezes, atinge o misticismo sincrético com cultos afro-brasileiros, com seitas esotéricas ou com doutrinas orientais. Podemos identificar, algures, verdadeiras orientaçõesdocetistas, marianistas, prescrições dietéticas, coisas que são estranhas à codificação Kardequiana.
1.2.4. O Espiritismo declinou muito na França e se expandiu bastante, com feição religiosa, no Brasil. Ironicamente, com essa sua feição religiosa, foi reintroduzido na França, a partir dos anos de 70 de Século XX, por uma brasileira lá radicada, Cláudia Bonmartin. À Suécia, foi levada pela...
tracking img