Equilibrio quimico

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1325 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA
CURSO DE ENGENHARIA DE PETRÓLEO

EQUILÍBRIO QUÍMICO DOS ÍONS CROMATO E DICROMATO

Professor: Paulo Sérgio Taube Júnior
Alunos: Aline Taracuik
Bruna Atamanczuk
Cíntia Duarte
Cristopher Bastidas
Isabela Péres
Luiz Henrique Castro Britto

Balneário Camboriú
04/06/2012

EQUILÍBRIOQUÍMICO E O PRINCÍPIO DE LE CHATELIER

Relatório técnico apresentado como requisito
parcial para obtenção de aprovação na disciplina de Química Geral, no Curso de Engenharia de petróleo, na Universidade doestado de Santa Catarina,
ministrada pelo Prof. Paulo Sérgio Taube Júnior.

Balneário Camboriú
04/06/2012

Capa – nome da experiência
Resumo
Introdução (falar também sobre o trabalho e não apenas sobre equilíbrio)
Discussão – Fotos (legenda embaixo da foto)
Conclusão
Referências
Arrumar números2. Materiais e Métodos
2.1 Instrumental

Foram utilizados seis tubos de ensaio para realizar as experiências. Foram adicionados, com pipetas graduadas, soluções de K2Cr2O7 0,10 M, K2CrO4 0,10 M em cada um dos tubos. Para a primeira experiência, além das soluções de cromato e de dicromato, foram utilizadas também, as soluções de NaOH 0,1 M e HCl 0,1 M. Para a segunda experiência foramadicionados novamente os mesmo reagentes anteriores, acrescentando apenas a solução de Ba(NO3)2 0,10 M. As últimas três soluções estavam contidas em erlenmeyers e foram passadas para alguns béqueres para facilitar a utilização do conta-gotas na hora da experiência.

2.2 Métodos

2.2.1 Equilíbrio dos íons cromato Cr4-², e dicromato Cr2O7-²

Com uma pipeta graduada, foram colocados 5 mL decromato de potássio, K2CrO4, solução amarelada, em um tubo de ensaio de 5 mL e a mesma quantidade de dicromato de potássio, K2Cr2O7, alaranjada, em um outro tubo. Essas soluções foram utilizadas de base para as experiências.
Em dois tubos de ensaio limpos, colocou-se 10 gotas, aproximadamente 0,5 mL, de K2Cr2O7 e K2CrO4, uma solução em cada um dos tubos. Foi acrescentada, gota a gota, de NaOH 0,1 M emcada um dos tubos, revezando os tubos até haver, com 10 gotas em cada um, a mudança na cor de algum deles. Repetiu-se o procedimento anterior, em dois outros tubos, com HCl 0,1 M no lugar de NaOH, anotando-se o resultado final.
No tubo em que houve mudança de cor foram adicionadas 6 gotas de HCl 0,1 M para ver o que aconteceria. O inverso foi feito na solução que mudou de cor devido ao HCl 0,1M adicionado anteriormente, ou seja, adicionou-se 10 gotas de NaOH 0,1 M a essa solução.

2.2.2 Equilíbrio de cromato de bário, BaCrO4(s) com uma solução saturada de íons.

Em um tubo de ensaio colocou-se 10 gotas, cerca de 0,5 mL, de K2CrO4 0,1 M e acrescentou-se, gota a gota, 20 gotas de nitrato de bário, Ba(NO3)2 0,1 M, até haver alteração na cor.
Em um segundo tubo colocou-se 10 gotasde K2Cr2O7 0,1 M e acrescentou-se 4 gotas de HCl e depois 10 gotas de Ba(NO3)2 0,1 M.
No primeiro tubo de ensaio, acrescentou-se, 10 gotas de HCl 0,1 M. E no segundo tubo, 15 gotas de NaOH 0,1 M.
Por último, em um novo tubo de ensaio, colocou-se 10 gotas de K2CrO4 0,1 M e em outro tubo, 10 gotas de K2Cr2O7. Acrescentou-se 20 gotas de Ba(NO3)2 0,1 M a cada um dos tubos e verificou-se asalterações.

3. Resultados e Discussão

3.1 Equilíbrio dos íons cromato Cr4-², e dicromato Cr2O7-²

Primeiramente observou-se que a solução de CrO4-²(aq) era amarela e que a de Cr2O7-²(aq) era laranja. Ao adicionar 10 gotas de NaOH nas duas soluções observou-se que o dicromato passou de laranja para amarelo e que o cromato não mudou de cor. Isso porque De acordo com o princípio de Le...
tracking img