Economia colonial no brasil

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1089 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 22 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Rapto de fortunas
Durante os três séculos em que governou o Brasil, Portugal colocou em prática uma rentável política econômica com o objetivo de transferir as riquezas da colônia para seus cofres.
A economia do Brasil colônia foi sempre voltada para o benefício de Portugal. Inserida no contexto do mercantilismo europeu, foi caracterizada pelo pacto colonial, segundo o qual os brasileiros sópodiam comercializar produtos com os portugueses, de modo que esses últimos compravam barato, vendiam caro e ainda tinham exclusividade na exportação das mercadorias do Brasil a outras nações. A grande maioria dos lucros ia para a metrópole, especialmente para os cofres da Coroa portuguesa, que cobrava altos impostos sobre a exploração dos produtos coloniais. As principais atividades econômicasrealizadas no período em nosso território foram a extração do pau-brasil, a produção de açúcar, a mineração e a pecuária.
PAU-BRASIL
A primeira riqueza brasileira percebida por Portugal foi o pau-brasil, madeira então abundante em nosso litoral, usada como matéria-prima para a fabricação de tinturas. A extração era feita pelos índios, que trocavam a mercadoria - numa prática conhecida como escambo -por quinquilharias, como espelhos e colares, que eram fornecidos pelos comerciantes portugueses. Em alguns pontos da costa foram instaladas feitorias para o armazenamento do produto.
A atividade era simples e bastante lucrativa, mas trazia um problema: os mercadores lusitanos vinham ao Brasil, carregavam seus navios e, em seguida, voltavam à Europa, sem se fixar na colônia, o que facilitava aocorrência de ataques estrangeiros. Ou seja, para garantir a proteção de seus domínios na América, Portugal precisava povoá-los urgentemente. Ocorre que havia uma maneira bastante rentável de fazer isso: bastava introduzir uma atividade de produção na região.
AÇÚCAR
Escolhida a estratégia, definiu-se o produto: o açúcar. A matéria-prima, a cana-de-açúcar, adaptava-se bem ao clima e ao solobrasileiros. Além disso, Portugal já possuía experiência na produção de cana nos Açores e na ilha da Madeira. Para completar, o açúcar tinha grande aceitação na Europa, o que era uma garantia de mercado consumidor. Emtretanto, faltavam aos portugueses capital inicial e uma eficiente infraestrutura de distribuição. Essa questão foi resolvida com uma parceria com os holandeses, que já fretavam o açúcarproduzido por Portugal nas ilhas do Atlântico.
O sistema instalado foi o de plantation, cujas características eram:
· Grandes propriedades (latifúndios) monocultoras (dedicadas a apenas um produto) - os engenhos.
· Mão de obra escrava (primeiramente indígena; depois negra).
· Produção voltada para o mercado externo.
Os latifúndios monocultores e a escravidão permitiam uma produção vasta a baixoscustos - o que levava altos lucros. O destino era unicamente a exportação, uma vez que Portugal não tinha o menor interesse em desenvolver a economia interna brasileira. Os lucros que permaneciam no Brasil eram poucos e ficavam nas mãos dos senhores de engenho - e os donos dos latifúndios -, provocando grande concentração de renda.
A produção de açúcar foi a principal atividade econômica doBrasil colonial durante os séculos XVI e XVII, sendo ultrapassada no século XVIII pela mineração.
PECUÁRIA
A criação de gado foi a única das principais atividades econômicas do Brasil colonial que era voltado para o mercado interno. Fornecedora de força de tração, alimento e meio de transporte aos engenhos, ela foi inicialmente instalada na Bahia e em Pernambuco, em meados do século XVI. Como nolitoral predominavam as lavouras de cana-de-açúcar, o gado foi levado ao interior. As feiras organizadas para o comércio dos animais acabavam se transformando em vilas, o que permitiu a colonização dos sertões brasileiros. Além do Nordeste, a atividade se desenvolveu com força no sul do país, onde foi favorecida pelas vastas pastagens naturais dos pampas.
Os trabalhadores - vaqueiros - eram livres...
tracking img