Diversos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1001 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 26 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Agricultura de precisão no Brasil: estado atual e perspectivas

José P. Molin ESALQ/USP jpmolin@usp.br

www.agriculturadeprecisao.org.br

O que é Agricultura de Precisão?

AP é gerenciar o sistema considerando que a lavoura não é uniforme, diferentemente da agricultura pela média ...

Prof. J. P. Molin

Prof. J. P. Molin

Prof. J. P. Molin

Variabilidade de componentes dafertilidade do solo em talhão de cana (2º corte) classes do Boletim 100 (IAC, 1996)

Prof. J. P. Molin

Uma definição simples:

AP é uma abordagem de gerenciamento que leva em consideração a variabilidade espacial (e temporal) das lavouras...

...e busca tirar proveito dessas desuniformidades...
...sempre que elas forem relevantes.

Prof. J. P. Molin

AP envolve um conjunto de possíveisestratégias de gestão:
• • • • reduzir o uso de insumos aumentar a produtividade melhorar a qualidade do produto aumentar a lucratividade

Prof. J. P. Molin

Como se pratica AP, hoje, no Brasil:
 Gerenciamento (com ajuste fino) da correção e adubação do solo via aplicação em taxas variáveis, basicamente de calcário, potássio, fósforo e gesso  Com base em amostragem georreferenciada(“em grade”)

Considerando apenas o solo!
Prof. J. P. Molin

...visa regularizar os teores no solo, tendo como foco a Lei dos Mínimos.

Prof. J. P. Molin

Variabilidade dos teores de fósforo no solo de um talhão de milho de 180 ha

Prof. J. P. Molin

O que mais pode ser feito:

• Gerar mais e melhores dados para gerenciar o sistema e não apenas a fertilidade do solo! • Aceitar o fatoe assumir o desafio de que a variabilidade espacial das lavouras é algo mais complexo do que mapear e intervir em P, K, Ca e Mg.

Prof. J. P. Molin

Recursos já disponíveis
• Mapeamento das produtividades • Uso de sensores:

• Planta
• Imagens (orbitais, aéreas...) • Sensores óticos • Solo • Condutividade elétrica
Prof. J. P. Molin

Desafios
• Entendimento dos potenciais elimitações desses dados (dados  informação  conhecimento  decisão) • Clara definição da informação desejada a partir desses dados (é necessário muito conhecimento agronômico) • Domínio das ferramentas para a correta integração dessas informações (um bom SIG e um ótimo “operador” de SIG)
Prof. J. P. Molin

Alguns exemplos
• Mapas de produtividade servem para: • entender a variabilidade espacial dalavoura (resposta do SISTEMA) • auxiliar na definição de monitoramentos e amostragens (onde e o que monitorar!) • definir as reposições com base nas exportações (recomendações prontas e com muito detalhamento!)
Prof. J. P. Molin

Alguns exemplos:
• Dados de sensores de plantas • Refletância • Em algumas culturas tem boa relação com a produtividade • Biomassa, contrastes, falhas, reboleiras...(entender a variabilidade espacial da lavoura) • Auxiliar na definição de monitoramentos e amostragens • Destaque para a adubação nitrogenada
Prof. J. P. Molin

Alguns exemplos:
• Dados de sensores de solo
• Condutividade elétrica do solo • Bom indicador qualitativo do solo (não faz milagres!) • Destaca contrastes normalmente atribuídos à textura e capacidade de retenção de água

Prof. J. P.Molin

Qual o objetivo final?
• Voltando à definição de AP: gerenciar o sistema de produção consideração a sua variabilidade espacial (e temporal)

• A forma mais racional de fazê-lo é administrando sub talhões (unidades de manejo diferenciado)

Prof. J. P. Molin

Unidades de manejo diferenciado???
(“zonas de manejo”)
• Unidades de manejo são áreas delimitadas como de mínimavariabilidade do ou dos fatores utilizados na sua demarcação, dentro de um talhão • E os fatores? • ...aqueles de antes: • mapas de produtividade • biomassa • condutividade elétrica do solo • mapa pedológico
Prof. J. P. Molin

Unidades de manejo
Exemplo de determinação: mapas de produtividade de milho normalizados: 2002, 2003 e 2006

Produtividades normalizadas em torno da média anual
0 a...
tracking img