Defesa rafinha bastos ans

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 3 (505 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 23 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Alunos - Direito Turma A


Parecer – Defesa Argumentativa

Rafael Bastos, x-apresentador do programa humorístico CQC (Custe o Que Custar) da rede de televisão Bandeirantes, acusado por WanessaCamargo, por meio dos procuradores ao final assinado, vem respeitosamente apresentar Defesa Argumentativa.
Trata-se de um comentário feito pelo acusado sobre Wanessa que, sentindo-se ofendida,ingressou com ação contra Rafael por crime de injúria e pedido de indenização por danos morais.
O comentário em questão foi proferido quando da exibição do programa CQC, onde Rafael, na condição deapresentador, após certo comentário de Marcelo Taz sobre Wanessa, disse: “...Ela está tão bonita, mas tão bonita que eu comeria a Wanessa e o bebê...”.
Pode-se dizer que grande parte do público,incluindo fãs da Wanessa e de Rafinha, encarou tal comentário como agressivo e desrespeitoso, razão porque há de se entender que Rafael, de certo modo, também foi prejudicado, pois sua imagem ficou abaladaperante o público e a crítica.
Rafael também foi afastado do programa CQC, e duas semanas depois pediu demissão da emissora de TV, o que de certa forma prejudicou sua vida financeira.

Esses sãofatos. Passo à defesa.
De início, afirmo que não houve qualquer ato ou fato atentatório à honra, imagem ou à moral da autora da ação, uma vez que o comentário expressado pelo contestante foi feito semintenção de ofendê-la.
Em segundo lugar, a Constituição Federal, no seu art. 5º, inciso IV, resguarda a liberdade de expressão, especialmente no meio jornalístico,ao qual o contestante pertence. Eé com base nesse dispositivo da carta constitucional que o contestante expressou sua opinião em relação à autora.
Por outro lado, a ausência de intenção de causar ofensa à autora, elimina qualquertipo de responsabilidade, seja na esfera civil penal ou administrativa. Repiso, que a falta de conduta dolosa é suficiente para afastar a ilicitude do ato e, sem ilicitude não há dever de indenizar e...
tracking img