Como fazer uma reportagem

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 3 (599 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 18 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Sucesso de crítica, ‘Amor’ tem exibição em Rio Preto. |
|
Daniela Fenti | |
|
|
|
Considerado um filme “cult” e ainda inédito no circuito comercial de Rio Preto, “Amor” (Amour) seráexibido hoje e amanhã, às 20 horas, no teatro do SESC Rio Preto. Esta é uma coprodução da França, da Alemanha e da Áustria. A estreia oficial do longa, escrito e dirigido pelo cineasta austríacoMichael Haneke (“A Fita Branca”), ocorreu no Festival de Cannes, no ano passado, garantindo a Palma de Ouro. 

De lá para cá, a lista de prêmios não para de crescer. Também recebeu os troféus de melhorfilme estrangeiro do Globo de Ouro e do Oscar. Sem contar premiações menos conhecidas, como a da Associação de Críticos de Londres. 

Enredo 

A trama é focada em Georges (Jean-Louis Trintignant) eAnne (Emmanuelle Riva), octogenários que vivem em Paris e são apaixonados por música. Certo dia, Anne sofre um derrame cerebral e fica com um lado do corpo paralisado. O problema acarreta obstáculosà vida a dois, que colocarão os sentimentos dos personagens à prova. Enquanto a mulher definha, o marido se recusa a interná-la em uma clínica e decide, ele mesmo, oferecer cuidados domésticos, queincluem remédios, papinhas e fraldas geriátricas. Isabelle Huppert também aparece em cena, porém, com o papel secundário de Eva, filha do casal. 

Por trás das críticas positivas existem elementosplausíveis - tanto que a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood incluiu o filme “forasteiro” entre os indicados também a melhor filme, roteiro original, diretor e atriz - categorias doprimeiro escalão do Oscar. A justificativa inicial do sucesso é justamente a escolha dos veteranos para protagonistas. Aos 86 anos, Emmanuelle é uma espécie de lenda viva do cinema europeu, tendoparticipado de clássicos como “Hiroshima, Meu Amor” (1959), de Alain Resnais, e “Thérèse Desqueyroux” (1962), de Georges Franju. 

Seu parceiro de cena não fica atrás. Trintignant, 82, teve papel...
tracking img