Ciencias sociais

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1966 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 30 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
África
Durante anos, a África foi desprezada e ignorada pelos historiadores como campo de estudos. Hegel, em sua obra "Filosofia da História" afirmava que a África não era um continente histórico porque ela não demonstrava nem mudança nem desenvolvimento. Registros extraídos de compilações de cursos ministrados pelo professor Hugh Trevor-Hoper, intitulados "The Rise of Christian Europe" sãodemonstrativos da visão predominante nos meios intelectuais de então: "não se poderia permitir divertirmo-nos com o movimento sem interesse de tribos bárbaras nos confins pitorescos do mundo, mas que não exercem nenhuma influência em outras regiões". O tempo e a história encarregaram-se de provar que Hegel, Trevor-Hoper e tantos outros estavam na contramão dessa mesma história. Os primeiros relatossobre a África subsaariana são bem antigos, anteriores mesmo a essa designação, dada ao continente como um todo pelos europeus no século XVII. São escritos de mercadores mediterrânicos e de historiadores da civilização islâmica medieval. "Os autores árabes eram mais bem informados, uma vez que em sua época a utilização do camelo pelos povos do Saara havia facilitado o estabelecimento de um comércioregular com a África Ocidental e a instalação de negociantes norte-africanos nas principais cidades do Sudão Ocidental. Por outro lado, o comércio com a parte ocidental do Oceano Índico tinha se desenvolvido a tal ponto que um número considerável de mercadores da Arábia e do Oriente Próximo se instalara ao longo da costa oriental da África. Assim, as obras de homens como alMas`Udi, al Bakri, alIdrisi, Yakut, Abul-Fida, Ibn-Battuta e Hassan Ibn Mohammad (conhecido na Europa como Leão, o Africano, 1494-1552 aproximadamente) são de grande importância para a reconstituição da História da África, em particular a do Sudão Ocidental e Central, durante o período compreendido entre os séculos IX e XV. (1) O continente africano foi berço de diversas civilizações - a mais conhecida delas é a egípcia(2) - embora praticamente ignorada pelos demais povos. A situação só começaria a mudar a partir de 632, após a morte de Maomet, quando a conquista árabe passa por grande impulsão. Dois anos depois desta data, uma expedição chegou ao Sudão, dando início a um contato que não mais sofreria interrupções (3). É esta região que será dominada pelos impérios africanos. As origens de alguns desses reinossão imprecisas, mas o primeiro de que se tem notícia é o de Gana, fundado, provavelmente, no século IV e que foi grande produtor de ouro. Na verdade, Gana era o título usado pelos reis. O nome do país era Aukar (4). Bakir nos dá conta da riqueza do reino ao relatar que Gana “é a cidade mais importante de todo o território dos negros”, visitada por ricos mercadores dos países vizinhos e de todos ospaíses do Magrebe Ocidental. Seus relatos nos permitem ter uma visão da extensão do reino, do poderio do soberano e do funcionamento da economia naquela sociedade. O rei, que conta com a ajuda de governadores e vizires para a administração do território, ganha sobre cada burro carregado de sal que entra em seus país e sobre cada carregamento de sal exportado, além de deter o poder sobre todas aspepitas de ouro encontradas nas minas de seu império. Ao povo, cabe somente o pó do ouro, uma medida implantada pelo soberano e que visa impedir a circulação de grande grande quantidade de pepitas e a consequente desvalorização do metal. Os povos de Gana comercializavam o ouro em troca de sal e de outros produtos mediterrânicos com os mercadores e estes, por sua vez, pagavam tributos àscomunidades cujos territórios precisavam atravessar para chegar à capital do império. Estas comunidades, agrárias em sua maioria, praticavam o modo de produção de linhagem ou doméstico, caracterizado pela formação de comunidades familiares e aldeãs, organizadas em torno da família ampliada (patriarca, filhos casados e solteiros, cativos etc) (5). O intenso comércio de ouro sal entre Gana e outras cidades...
tracking img