Chico buarque

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 20 (4763 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
TRABALHO DE LITERATURA
VIDE E OBRA DE CHICO BUARQUE






























SUMÁRIO


1. Introdução..................................................................................................... 03
2. Biografia.........................................................................................................04
3.Conclusão......................................................................................................










































1. INTRODUÇÃO










































2. BIOGRAFIA


No dia 19 de junho de 1944 nasceu, na Maternidade São Sebastião, no Largo do Machado, Rio de Janeiro, FranciscoBuarque de Hollanda, o quarto dos sete filhos do historiador e sociólogo Sérgio Buarque de Hollanda e da pianista amadora Maria Amélia Cesário Alvim.
Em 1946 a família mudou-se do Rio para a Rua Haddock Lobo, em São Paulo, onde o pai assumiu a direção do Museu do Ipiranga.
Aos cinco anos de idade pareceu surgir seu primeiro interesse pela música, materializado sob a forma de um álbum de recortes comfotos de cantores do rádio.
Em 1953, Sérgio Buarque foi convidado para dar aulas na Universidade de Roma e a família muda-se para a Itália. Ao partir para a Europa, se despediria da avó com um profético bilhete: "Vovó, você está muito velha e quando eu voltar eu não vou ver você mais, mas eu vou ser cantor de rádio e você poderá ligar o rádio do Céu, se sentir saudades".
Compôs suas primeiras"marchinhas de carnaval" e tornou-se trilingue, falando inglês na escola (norte-americana) e italiano nas ruas.
Durante a estada da família na Itália, costumava ficar "instalado no alto da escada, quando o mandavam dormir, para não perder a conversa dos pais" com amigos. A casa, em Roma, era frequentada por personalidades da cultura brasileira, entre elas Vinicius de Moraes, de quem, mais tarde,se tornaria amigo e parceiro. A família volta a residir no Brasil.
Sua irmã Ana de Hollanda, a "Baía", conta que aos doze, treze anos de idade, já de volta a São Paulo, Chico compôs "umas operetas" que eram cantadas em conjunto com as irmãs mais novas, Ana, Cristina e Pii.
A família muda-se para um casarão na rua Buri, entre 1656 e 1957, a poucos quarteirões do estádio do Pacaembu. Embora fosseum apaixonado torcedor do Fluminense, a camisa que seu ídolo vestia era a do Santos. Seu nome: Paulo César de Araújo, o Pagão, nome que Chico adota até hoje, em homenagem ao craque, quando veste a camisa número 9 de seu time de futebol, o Politheama. Alguns amigos brincam, afirmando que Chico só se tornou músico porque não conseguiu brilhar no futebol.
Na escola era sempre visto com um livro namão. Lê os clássicos da literatura francesa, alemã e russa, e só se interessa pela literatura brasileira depois que um colega o critica por ler apenas estrangeiros. É repreendido por desfilar pelo colégio com um raro exemplar da primeira edição de Macunaíma, de Mário de Andrade, retirado da estante do pai.
Ingressa, em 1958, influenciado por um professor, em um movimento religioso chamado"Ultramontanos", precursor da organização ultraconservadora "TFP - Tradição, Família e Propriedade".
Em 1959, seu envolvimento com os Ultramontanos era cada vez maior. Já não dava mais tanta bola ao futebol e para ir à missa, durante as férias, chegava a andar oito quilômetros por dia na fazenda de um amigo. Os pais, preocupados, mandaram o rapaz para um internato em Cataguases, no interior de MinasGerais, por um semestre. Ao retornar a São Paulo voltou a participar de um movimento religioso, agora de cunho social, chamado "Organização Auxílio Fraterno", que levava cobertores e alimentos para os miseráveis que dormiam nas calçadas. Apesar de não acreditar na caridade como solução para os problemas sociais, Chico relatou, em uma entrevista, que sem esta experiência poderia ter se transformado...
tracking img