As midias sociais e a globalizacao do bullying

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 24 (5973 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Mídias Sociais, Saberes e Representações Salvador - 13 e 14 de outubro de 2011

AS MÍDIAS SOCIAIS E A GLOBALIZAÇÃO DO BULLYING Andréa Cardoso - UFPI1 Ana Paula Rocha do Bomfim- UFPI2 Resumo O bullying está presente desde sempre nas salas de aula e nos pátios de escolas ao redor do mundo. Mas somente a partir da década de 1970, na Suécia, passou a ser objeto de pesquisas científicas. No Brasil,o fenômeno começou a ser investigado no ano de 2000, a partir de um estudo realizado por Cleo Fante e José Augusto Pedra. O presente artigo baseando-se em pesquisa aplicada, exploratória, bibliográfica de abordagem qualitativa, discute a transposição do bullying do ambiente físico para o ambiente virtual, tendo em vista os avanços tecnológicos recentes e a popularização das novas tecnologias dainformação e comunicação; assim como o modo de atuação das mídias sociais na disseminação do ciberbullying e o papel das mesmas no enfrentamento desse problema.

Palavras-chave: globalização, mídias sociais, ciberbullying.
“Antes mundo era pequeno/ Porque Terra era grande/ Hoje mundo é muito grande/ Porque Terra é pequena/ Do tamanho da antena parabolicamará/ Ê, volta do mundo, camará/ Ê, ê mundodá volta, camará/ Antes longe era distante/ Perto, só quando dava/ Quando muito, ali defronte/ E o horizonte acabava/ Hoje lá trás dos montes, den de casa, camará/ Ê, volta do mundo, camará/ Ê, ê mundo dá volta, camará/ De jangada leva uma eternidade/ De saveiro leva uma encarnação/ Pela onda luminosa/ Leva o tempo de um raio/ Tempo que levava Rosa/ Pra aprumar o balaio/ Quando sentia que obalaio ia escorregar/ Ê, volta do mundo, camará/ Ê, ê mundo dá volta, camará/ Esse tempo nunca passa/ Não é de ontem nem de hoje/ Mora no som da cabaça/ Nem tá preso nem foge/ No instante em que tange o berimbau/ Meu camará/ Ê, volta do mundo, camará/ Ê, ê mundo dá volta, camará/ De jangada leva uma eternidade/ De saveiro leva uma encarnação/ De avião o tempo de uma saudade/ Esse tempo não tem rédea,vem nas asas do vento/ O momento da tragédia/ Chico, Ferreira e Bento/ Só souberam na hora do destino apresentar/ Ê, volta do mundo, Camará/ Ê, ê mundo dá volta, camará.” 3

1

Graduanda em Comunicação Social – Jornalismo pela Universidade Federal do Piauí (Bolsista Pibic – CNPQ) integrante do Grupo de Pesquisa em Comunicação, Economia Política e Diversidade (COMUM) 2 Orientadora – Professoraassistente da Universidade Federal do Piauí. Integrante do Grupo de Pesquisa em Comunicação, Economia Política e Diversidade (COMUM) 3 GIL, Gilberto. Parabolicamará. In: Gilberto Gil: Unplugged. Warner Music, 2002.

O constante processo de evolução das tecnologias da comunicação e dos transportes facilita o acesso e a difusão de informações e interliga, a cada dia, mais povos e culturas,desafiando barreiras temporais e geográficas.

Ainda bastante deslumbrados com o poder que as novas tecnologias têm de encurtar as distancias e o aumentar a velocidade da transmissão de informações muitos tendem a enxergar somente os benefícios trazidos pela popularização da internet e pela criação e aperfeiçoamento das novas mídias. O desenvolvimento tecnológico, por um lado, facilita e agiliza a vidadas pessoas, mas por outro, acirra as diferenças sociais e culturais. Sendo o Brasil um país tão desigual e tão diverso social e culturalmente, não se pode imaginar que o acesso aos meios técnicos se efetive de maneira homogênea para todas as populações. O analfabetismo, a pobreza e a exclusão social e digital ainda afastam grande parcela da sociedade dos meios de comunicação. No ano de 1992,quando Gilberto Gil escreveu a música Parabolicamará, o desenvolvimento da telefonia e da transmissão de sinais de rádio e TV já interligava o mundo desafiando tecnologicamente tempo e espaço; a Internet chegava ao país, mas restringia-se apenas aos ambientes acadêmicos. Computadores ainda eram considerados artigos de luxo, que apenas um pequeno grupo da população poderia possuir. Não se imaginava...
tracking img