As cronicas - de lima barreto

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (397 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 31 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
As crônicas de Lima Barreto são um painel


crítico do Brasil no início do século XX

Mulato, funcionário público de parcos rendimentos, alcoólatra, o carioca Lima Barreto é o grande marginal daliteratura brasileira. E não por pose: ele sonhava com um reconhecimento que não encontrou nos breves e preconceituosos anos de sua vida, de 1881 a 1922. Tentou até entrar na Academia Brasileira deLetras, sem sucesso, em 1919. Não é de estranhar, portanto, que as crônicas que escreveu para diversos jornais e revistas, de 1890 até as vésperas da morte, tenham sua dose de ressentimento. Os doisvolumes de Toda a Crônica (Agir; 598 e 606 páginas; 72,50 por livro ou 125 reais a caixa com ambos) revelam um ódio vitriólico contra as elites cariocas. "A nossa burguesia republicana é a mais ineptade todas as burguesias", afirma o autoproclamado anarquista. Outras crônicas deixam transparecer o desprezo pelos medalhões da literatura nacional – Coelho Neto, o literato da hora, é um dos alvospreferenciais do deboche de Lima Barreto. O que mais impressiona, porém, é a lucidez com que o escritor dá vazão a sua raiva. Sua crônica é um dos melhores painéis críticos do Brasil – e, em especial, doRio de Janeiro – no início do século XX.

Organizada pelas pesquisadoras Beatriz Resende, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e Rachel Valença, da Fundação Casa de Rui Barbosa, essa é aprimeira coletânea completa das crônicas desde aquela montada por Francisco de Assis Barbosa, biógrafo de Lima Barreto, em 1956. Em ordem cronológica, a nova edição traz alguns textos inéditos em livro,como a crônica A Minha Alemanha, na qual Lima Barreto ataca a perspectiva estreita dos nacionalistas (que ele, aliás, já satirizara no romance Triste Fim de Policarpo Quaresma). O escritor estava alipara atacar outras piores estreitezas: contesta a pseudociência racial de seu tempo e o direito do marido de matar a esposa adúltera para "lavar a honra". A sucessão de desgraças que foi sua...
tracking img