Arte como liberdade

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 47 (11655 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 9 de fevereiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E
TECNOLOGIA DO CEARÁ
CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ARTES PLÁSTICAS

Francisco das Chagas Sá Júnior

A arte como liberdade no pensamento de Herbert Marcuse

Fortaleza-CE
2009

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E
TECNOLOGIA DO CEARÁ
CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ARTES PLÁSTICAS

Francisco das Chagas Sá Júnior

A arte comoliberdade no pensamento de Herbert Marcuse

Trabalho
de
conclusão
de
curso
apresentado ao Curso Superior de
Tecnologia em Artes Plásticas, do
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO,
CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ,
como requisito parcial para obtenção do
título de tecnólogo em Artes Plásticas.
Orientador(a): Gileno Campos, MS.

Fortaleza-CE
2009

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIAE TECNOLOGIA DO CEARÁ
CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ARTES PLÁSTICAS

Título do Trabalho: A arte como liberdade no pensamento de Herbert Marcuse
Autor: Francisco das Chagas Sá Júnior

Defesa em: ___/___/___

NOTA OBTIDA:_____

Banca Examinadora

_____________________________________
nome do prof.(a) orientador(a) c/ respectiva titulação

__________________________________nome do prof.(a) c/ respectiva titulação

__________________________________
nome do prof.(a) c/ respectiva titulação

RESUMO
Este trabalho tem como objetivo discutir a relação entre a dimensão estética da
Arte e a categoria liberdade no pensamento de Herbert Marcuse, por meio de análise
bibliográfica das obras Eros e Civilização (1955) e A Dimensão Estética (1977). Antes de sefalar da liberdade, pressupor-se-á a existência de uma realidade em condições repressivas
às faculdades e ao desenvolvimento humano. Supõe-se que o mundo reificado do sistema
capitalista distanciou o ser humano da sua relação lúdica com a Natureza, devido à
alienação imposta pelo trabalho institucionalizado. Marcuse propõe uma revisão da
realidade reificada, uma vez que, com base tanto nasideias de Freud como de Marx, a
civilização se desenvolveu equivocadamente na ideia de uma racionalidade instrumental
que gerou a opressão do homem. Em contra-partida, legitima-se o mundo da fantasia
(imaginação), caracterizando-o como essencialmente fruto da necessidade e do desejo do
ser humano de se libertar das condições alienantes do mundo reificado. Propondo revelar
princípiosde ordem estética para o insurgimento de novos paradigmas para uma nova
consciência do real, Marcuse coloca a Arte como o elemento transitório entre o real e o
imaginário, mas que, apesar de ser usada às vezes como veículo ideológico, possui em sua
dimensão estética uma autonomia em relação ao real, defendendo que arte independente
de sua temática, por si só possui um potenciallibertário, uma vez que, de alguma forma
provoca e transmite o desejo de liberdade. Quanto maior for o grau de opressão sofrido,
maior será necessidade de liberdade e o potencial libertador da Arte.

Palavras chaves: Marcuse, arte, liberdade.

SUMÁRIO

LISTA DE FIGURAS
INTRODUÇÃO

............................................................................................ 05.................................................................................................... 06

1. A ARTE COMO RECONCILIAÇÃO ENTRE DOIS MUNDOS: O REAL E O IMAGINÁRIO
.................................................................................................
1.1. A legitimação do mundo da fantasia

...................................................... 17

2. A AUTONOMIA DA ARTECOMO SUBVERSÃO AO MUNDO REIFICADO
CONCLUSÕES

08

... 28

.................................................................................................. 39

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

................................................................... 40

LISTA DE FIGURAS
Fig. 01: GOYA, Francisco. Saturno Devorando Seu Filho, 1821. 146x83cm, Museu do
Prado (Madri)....
tracking img