O Conforto do Conservadorismo - Religião de Poder – J. I. Packer Capítulo 12

Páginas: 9 (2174 palavras) Publicado: 19 de junho de 2014
J. I. Packer, procura mostrra neste capítulo de que forma o Conservadorismo pode afetar a Igreja de forma negativa e apagar ação do Espírito Santo no meio dela.
O autor primeiramente define a palavra “conforto”. Sua origem está no latim que significa “tornar mais forte”. Essa palavra era usada nos contextos de guerras e trazia à mente das pessoas a ideia de ânimo e força. Segunda o significadobíblico desta palavra traz a ideia de “renovação de força”. No conceito moderno, e esse seria o segundo “tom” da palavra, traz o conceito de descanso ou relaxamento.
A definição de conservadorismo precisa ser considerada em dois tons. O primeiro tom na definição de conservadorismo parte de uma visão heroica dos valores que uma comunidade possui e quer preserva-los contra todo tipo de corrupção. Osegundo tom, traz uma proposta de se apegar ao que é antigo e convencional apenas por ser antigo e convencional. Nesta proposta não há análise crítica. Eles não querem enxergar as coisas como elas são de verdade. Apegam-se ao passado de maneira cega e não olham para o futuro e novas possibilidades. Na opinião do autor o primeiro tom é aceitável o segundo é sem valor algum.
Assim o autor entra notema: O conforto do conservadorismo. Ele leva o seu leitor a entender que o imobilismo quando se volta para trás produzirá apenas uma sensação de segurança e sabedoria. E também que esse imobilismo pode fazer com que as pessoas possam impor isto para outras. Não adianta nada, na visão do autor esta proposta de fazer com que as pessoas ingiram este conceito à força, sem que antes haja uma reflexãosobre a fé. Desta forma esse tradicionalismo de maneira forçada e audaciosa induz muitos ao erro. O caminho proposto pelo não é de forma alguma promover anarquia ou mesmo a indisciplina. Mas lutar e receber pela tradição com muita sobriedade. Dessa forma a tradição resultará para a igreja vida.
Para se entender a natureza da tradição cristã, novamente o autor se utiliza mais dois tons. Existemduas tradições. A boa e a ruim. A boa é sábia e esclarece. A ruim é cega. É pela tradição que se define através de suas características uma comunidade. Assim todas as pessoas estão ligadas de uma forma e outra por tradições. Quando se foge de algumas tradições, de alguma forma, isto é resultado de um apego errado a alguma tradição. Confundir as tradições pessoais como se fossem verdades bíblicas éperigosíssimo.
Na realidade da igreja tradições é aquilo que se passam adiante. É a somatória do que se viveu. Sempre haverá tradições boas e ruins no meio da igreja. Na igreja há várias formas de se passarem suas tradições, como por exemplo, seus ensinos. O questionamento do autor não é definir se há ou não interferências na igreja por causa das tradições, mas se essas tradições de alguma formatêm colocado em questão a verdade absoluta das Escrituras.
O autor destaca de forma pertinente que toda tradição começa com um ato contemporâneo. Tudo o que igrejas carregam em suas tradições foram no passado atos contemporâneos. Então, considerando a ações do Espírito Santo e do pecado na igreja, através das pessoas, é de se esperar que as tradições sejam verdades ou erros.
Neste erro caiu tantoa Igreja Católica Romana quanto a Ortodoxa, ao considerarem algumas de suas tradições como tendo o mesmo valor das Escrituras. O que alguns concílios elaboraram e a palavra papal “ex cathedra” são considerados infalíveis. Por outro lado os protestantes tradicionais afirmam que as Escrituras possui autoridade máxima e rejeita as tradições como infalíveis. As tradições são vistas pelos protestantessempre á luz das Escrituras. As tradições apenas se sujeitam a interpretações humanas da Palavra de Deus. E são apenas auxílios, mas jamais estarão e terão o mesmo valo da Bíblia, como inspirada. Sem contar que a Bíblia não é um livro que não possa ser compreendido. Ele é simples e sua mensagem é alcançada pelos que leem.
Para alguns, como observa o autor, as tradições possuem valor porque...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • O conforto do conservadorismo
  • Lulismo no poder
  • O conforto do conservadorismo
  • Os capítulos 12, 13 e 14 do livro A Era do Capital, o autor ERIC J. HOBSBAWM
  • CApitulo 12
  • Capitulo 12
  • Capitulo 12
  • capitulo 12

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!