A questão da cidadania em tropa de elite 2: como o sistema afeta a sociedade

Páginas: 8 (1835 palavras) Publicado: 13 de outubro de 2011
A QUESTÃO DA CIDADANIA EM TROPA DE ELITE 2: como o sistema afeta a sociedade

Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Comunicação e cidadania

“Engana-se quem pensa que o mundo real são os poderes visíveis, as leis escritas e a grana. O mais importante não é dito, nem escrito, nem contabilizado”.

Estamos em uma sociedade em que pessoas vivem pelo assassinato como forma de trabalho, comomodo de ganhar dinheiro e de construir poderes. Hoje, o coração das relações sociais se chama violência. Essa é a realidade que o filme Tropa de Elite 2 traz à tona, desvendando os meandros da sociedade atual, em que os homens que deveriam proteger a população estão, na verdade, à deriva do Estado. Assim, nos é mostrado como a corrupção e a desordem social se tornaram ícones presentes nasinstituições que têm como incumbência proteger o cidadão.

O “JEITINHO” DO SISTEMA

Tropa de Elite 2 expõe o funcionamento do sistema – uma máquina complexa e impessoal, que gira em torno do poder – seja ele econômico ou simbólico. O sistema, como é mostrado, corrompe até mesmo aqueles que deveriam figurar como mocinhos, pois, como é dito no filme, “nesse ‘esquema’, não há heróis”. No longa-metragem– e na vida real – a ilegalidade que deveria ser exceção, torna-se regra.
Em Tropa de Elite 2, de acordo com as teorias de Foucault, o panóptico computadorizado faz a vigilância carcerária de Bangu I, partindo do pressuposto de que ele serve para adestrar as pessoas, ou seja, “docilizar” os corpos que estão submetidos a penas judiciais, de modo que elas cumpram seus deveres perante a lei.Contudo, numa análise mais atenta, o panóptico serve não só para vigiar os presidiários, pois também é utilizado para puni-los, ao que são observados em tom prazeroso por aqueles que deveriam protegê-los.
No filme, o sistema é o modo corrupto com que as coisas são feitas, o dia-a-dia da falcatrua. Essa idéia está intrinsecamente relacionada ao famoso “jeitinho brasileiro” de resolver as coisas. Dessaforma, engana-se quem pensa que a realidade mostrada em Tropa é um artefato distante da nossa rotina. O problema é que dificilmente nos damos conta que essa situação começa com cada um de nós. No final das contas, oferecer propina para escapar de uma multa de trânsito não é tão diferente de pagar o “arrego” para poder traficar livremente. Sonegar imposto de renda, estacionar em local proibido oudestinado a deficientes e idosos e emitir nota fiscal em valor mais alto para enganar o chefe não estão tão distantes dos princípios dos crimes de colarinho branco. E os bandidos de Bangu I não são piores daqueles que os prenderam.
Nesses momentos, o cidadão brasileiro é “favorecido” pela impunidade, pois geralmente as pequenas infrações não recebem punição – é o famoso “não dá em nada”. NoBrasil não há uma preocupação com o outro, muito menos com os seus direitos; só há um egoísmo desmedido que faz com que nos preocupemos somente conosco, sem se importar com o próximo. Ou seja, “aqui, a parte é mais importante que a totalidade social e as relações entre os homens e as coisas superam as relações que se dão entre os homens” (DAMATTA, 1987. P. 73).
O problema é que colocamos aindividualidade acima da sociedade. A impunidade só incomoda se diz respeito ao outro. Ninguém pode descumprir as leis, mas se eu conseguir me beneficiar, não tem problema. Todos têm um discurso sobre o que é certo ou errado, mas na prática, a realidade é outra. É o famoso “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”. Assim, a mesma impunidade que tanto incomoda nos políticos, é a mesma que usamos comojustificativa para amenizar os nossos atos desonestos. É como se só eu tivesse os direitos e os outros é que tivessem os deveres. Dessa forma, pode-se dizer que o funcionamento do sistema está intimamente ligado com a questão da cidadania.
Essa “brasilidade”, que existe há muito tempo, já foi expressa na literatura brasileira. Em 1854, Manuel Antônio de Almeida publicou Memórias de um sargento...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • Tropa de elite 2
  • Tropa de elite 2
  • Resumo tropa de elite 2
  • Resenha tropa de elite 2
  • Tropa De Elite 2
  • tropa de elite 2
  • Resumo
  • Tropa de elite 2

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!