a historia da banca

Páginas: 14 (3321 palavras) Publicado: 26 de setembro de 2014
Lisboa, 14 Mai (Lusa) - Angola deve diversificar os parceiros de cooperação, designadamente a China, que não impõe condições políticas nem tomada de medidas económicas, defende Dilma Esteves em "Relações de Cooperação China-África: O Caso de Angola", livro que é lançado hoje em Lisboa.

A obra, da responsabilidade da Editora Almedina e que será apresentada pelo general Loureiro dos Santos,reproduz a tese de mestrado da autora, angolana de nascimento e que estudou no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP).

"O que me levou a publicar a tese é a actualidade do tema. E porque tinha plena consciência da funcionalidade que ele poderia vir a ter", disse à Lusa.

Dividida em cinco capítulos, a obra deseja contribuir para a reflexão sobre o paradigma dasrelações de cooperação Sul-Sul na conquista do desenvolvimento.

"A Cooperação China-África assume duas modalidades: uma multilateral, que abrange o conjunto dos países envolvidos nos Foros de Cooperação, e uma bilateral, que concerne ao relacionamento que a China desenvolve com cada um deles", escreve a autora.

Sobre a cooperação bilateral, Dilma Esteves destaca as relações entre aChina e Angola, e o ponto de partida "incide na política externa chinesa e a sua projecção de poder em África, uma vez que o país asiático assume-se como principal agente de intervenção numa cooperação que se quer mutuamente benéfica".

Questionada se a China pode substituir, em Angola, e com eficácia, outros parceiros de desenvolvimento, Dilma Esteves acentua a necessidade de Angoladiversificar as relações de cooperação.

"Angola tem a possibilidade de escolher o melhor parceiro ou aquele que melhor serve os seus intentos. O que defendo não é a exclusividade para nenhum parceiro mas sim a multiplicidade e o desenvolvimento das relações com todos aqueles que estiverem interessados em colaborar com Angola", defendeu.

Dadas as abundantes reservas de recursos naturais deAngola, Dilma Esteves reconhece haver aqui uma "conjugação de interesses".

"Há aqui uma conjugação de interesses mas não só. Não se resume ao que um pode oferecer ao outro nem a um mero relacionamento baseado no interesse. Defendo que os interesses vão muito mais para além dos recursos naturais, que é o que normalmente toda a gente defende que está na base do relacionamento da cooperaçãoentre a China e Angola", disse.

"A política externa da China é baseada nos cinco princípios de coexistência pacífica, na qual uma das regras é justamente a da não interferência nos assuntos internos de cada Estado. Para além disso, a principal diferença do discurso chinês para o discurso ocidental é precisamente essa. A China não impõe nenhum condicionalismo político ou tomada de medidaseconómicas", acrescentou.

Dilma Esteves considera que tanto Angola como outros Estados africanos "estão bem conscientes dos prós e contras desta cooperação" e, portanto, sabem bem avaliar por si mesmos os benefícios ou não de uma cooperação com a China.

O desenvolvimento e crescimento da China são um dado adquirido e Dilma Esteves prevê que aquele país possa vir a substituir, porexemplo, os Estados Unidos, como potência global.

"Pode ultrapassar sem dúvida no futuro mas eu penso que, principalmente, a mensagem que a China quer deixar é efectivamente o seu crescimento pacífico", salientou.

"Se realmente conseguir ultrapassar (os Estados Unidos) será muito bom, porque - e é uma das coisas que eu também defendo no livro - é que o objectivo da China não é declararnenhuma guerra, guerra económica neste sentido, mas é óbvio que quer ser capaz de suplantar as outras potências mundiais", adiantou.

Dilma Esteves defendeu, por outro lado, que o seu livro "não é apenas sobre a China mas também sobre o que os africanos têm a ganhar na cooperação com a China".

"Porque há sempre uma tendência unilateral de observação destes fenómenos de cooperação...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • Banca
  • banca
  • Banca
  • Banca
  • banca
  • A banca
  • Orienta o para a banca
  • Banca jornal

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!