Visão do crime e criminoso para a Psicologia

Páginas: 44 (10905 palavras) Publicado: 20 de outubro de 2014
Visão de crime e criminoso para a Psicologia

No século XIX, a psiquiatria divide as perversões em dois tipos, de acordo com sua origem: as adquiridas, por condições de restrição ambiental; e as verdadeiras, ligadas à concepção hereditário-degenerativa. Em meio a essas concepções, Freud começa seus estudos sobre a perversão e caminha de uma descrição das perversões sexuais para uma teorizaçãodo me­canismo geral da perversão. A metapsicologia freudiana tem duas explicações para a perversão: a primeira é decorrente da polimorfia da sexualidade infantil e a segunda, do fetichismo, como recusa à castração. Tanto as psiconeuro­ses, como as perversões são concebidas como resultados de distúrbios do desenvolvimento psíquico-individual. Na obra de Freud encontramos a ideia sobre perversãoem constante movimento, até chegar à construção sobre a resolução do Édipo, resolução diferenciada entre neuróticos, psicóticos e perversos. Ele aproxima neuróticos e perversos, afirmando que um é o negativo do outro; o que é recalcado e inconsciente no neurótico corresponde ao atuado no perverso (SEQUEIRA, 2009).
No livro Três ensaios sobre a sexualidade (Freud, 1905/1995a), temos a sexualidadeinfantil, a partir do perverso polimorfo e da ideia de que a satisfação sexual infantil não se dá por uma única zona erógena, mas de forma generalizada por todo o corpo, ainda não fixada à satisfação genital; o mesmo ocorreria na perversão, por meio de uma fixação, numa pulsão parcial que escapou ao recalque. A distinção entre perversão e normalidade estaria na fixação, na exclusividade de umadeterminada prática para alcance da satisfação sexual. Porém, ao final do texto, ao falar da escolha objetal (definida a partir da resolução edípica e dos conteúdos pré-genitais), Freud aponta que a perversão tem uma relação com a castração (SEQUEIRA, 2009).
Freud continua sua elaboração da perversão em Teorias sexuais infantis (1908/1995b) e, em Análise de uma fobia de um menino de cinco anos(1909/1995c), destaca a recu­sa da criança em aceitar a falta fálica da mãe, que resulta numa ideia fundamental à sua conceituação da perversão: a recusa da percepção infantil da castração da mãe retorna na figura da mulher com pênis, dando origem à fantasia da mulher fálica. (SEQUEIRA, 2009)
Em Fetichismo (1927/1995e), Freud apresenta o objeto-fetiche como um substituto do pênis, mas não dequalquer pênis; é o substituto do pênis materno, em que o menininho outrora acreditou e não quer abandonar. No desenvolvimento do perverso, ele viveria a castração materna como algo insu­portável e criaria um objeto que esconderia a falta materna, o fetiche. O fetichista fica preso a uma atitude infantil, de forma a negar, desmentir a castração feminina; ao mesmo tempo em que a reconhece, sabe dadiferença sexual. Freud usa o termo verleugnung, termo que designa que o sujeito sabe e não quer saber sobre a castração. Forma-se uma solução de compromisso pelo conflito entre a percepção desagradável e a força de seu contra-desejo. (SEQUEIRA, 2009)
Verleugnung é traduzido como negação, rejeição, recusa, repúdio. Um tipo de recusa próxima do desmentir, renegar. Essa palavra alemã é ambí­gua, entreverdade e mentira. Pode significar desmentir algo, agir contra a própria natureza, negar a própria presença, no sentido de mandar dizer que não está. Sempre se refere a negar algo afirmado ou admitido antes. Nas obras tardias de Freud há uma tendência em usar esse termo para o fetiche e a perversão em geral. A rigor, não é só um termo para a perver­são; a diferença entre perversão e psicose estános conflitos e contradições decorrentes da castração. O psicótico tende a substituir a realidade, enfatizando a negação da castração; já o perverso unifica, simultaneamente, a negação da castração e seu reconhecimento através do fetiche ou outros substitu­tos. Lacan propôs uma tradução para o termo verleugnung: démenti (desmentido). Coexistem, na mesma pessoa, duas posições irreconciliáveis: o...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • Do comportamento criminoso ao crime
  • Crime segundo o criminoso
  • As duas faces de um crime
  • Psicologia e o crime
  • psicologia e o crime
  • Psicologia do Crime
  • A multideterminação do humano: uma visão em psicologia
  • A psicologia na visão do educador

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!