Tempo e memória: a construção social do passado na História - Martins

Páginas: 5 (1049 palavras) Publicado: 7 de novembro de 2014

UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA
BACHARELADO EM HUMANIDADES
DISCENTE: JANNIEIRY CARDOSO MACIEL ARAÚJO
LEITURA E PRODUÇÃO TEXTO

MARTINS, Estevão C. de Rezende. Tempo e memória: a construção social do passado na História. In: XXIV Simpósio Nacional de História - História e Multidisciplinaridade: territórios e deslocamentos, 2007, São Leopoldo. Anais doXXIV Simpósio Nacional de História. São Leopoldo/RS: UNISINOS, 2007. v. Compl. p. 1-10.

Estevão C. De Rezende Martins, professor de teoria da história e história contemporânea na Universidade de Brasília - UnB, pesquisador do CNPq/Brasil. O autor em questão menciona como tarefa social constante da humanidade, dominar o tempo através da memória. Martins aborda Pierre Nora (1984), indicando queexistem 3 fundamentos na construção da memória: lembrar, esquecer, comemorar. Além disso, acredita que nossas decisões perpassam pela trilogia lembrar-esquecer-comemorar mais do que lembrar-julgar-punir. Percebe-se que as lembranças ou comemorações tornaram-se condição ética daquele que quer cultivar viva a memória de alguém ou de algum fato social comum a todos. Em contrapartida, omitir,esquecer um acontecimento, sugere uma traição aos princípios do grupo. Martins cita a memória da sloah para as comunidades judias e a do apartheid para os sul-africanos como exemplo. É essencial ao grupo o poder de escolha daquilo que deve ser preservado como importante e aqueles fatos e vivências que podem e devem ser descartados; a condição para acomodar tais eventos e suas consequências é considerar otempo presente com base nas relações das pessoas com o passado, como dizia Frank Ankersmit (2002). O lembrar nos faz vivenciar uma tríade: a primeira é no sentido de chamar a memória; aquele que a busca é o mesmo que vivenciou o acontecido. A segunda seria a lembrança provocada, que é alcançada através de momentos, objetos, documentos, que trazem lembranças aos indivíduos. Porém, ‘fatoresexternos nos lembram algo sem ser responsáveis pela existência dessa lembrança em nós’ como assim dizia Ankersmit (2002), ou seja, os fatos não se lembram, mas lembram a mim, a nós. O terceiro sentido é o de comemorar, considerado um ato natural do indivíduo e de interesse coletivo da sociedade. Martins não atribui valoração positiva, nem negativa aos três sentidos, afirma que vai depender da culturahistórica e do tempo social do grupo do qual faz parte. O professor define que a medida que recordamos, trazemos a memória um evento de importância individual ou coletiva para preservação do grupo e das experiências histórico acumuladas. Objetivando, nos esclarecer o processo de inclusão da memória na História, o erudito em questão descreve dois tipos de memória, a coletiva e a individual; nesseâmbito, aponta Maurice Halbwachs (1990), como precursor do conceito de memória coletiva. Tal postulado surgiu de suas vivências práticas quando foi vitimizado da tirania nazista, no período de 1920-1930. A partir do trauma vivido, Halbwachs percebe que a memória coletiva é essencial, exercendo superioridade a individual, porque segundo ele, nossos eventos mesmo vividos individualmente, resultam dainteração com outras pessoas, porém entra em contradição justamente quando institui a memória coletiva como sendo superior, a partir do trauma experimentado. Ankersmit encontra a dicotomia de que fala Halbwachs, no lembrar e lembrar-se, no entanto, discorda dele quando da superioridade da memória coletiva a individual e concorda que é nessa habilidade de interação, sujeito agente e tempo históricoque acontece o domínio da memória e sua direção. Prosseguindo no texto, Martins vai diferenciar e fazer uma contraposição entre memória atual e historiografia reflexiva, conhecimento, e lembrança do passado. Respectivamente, a memória atual se restringe ao acúmulo de fatos do passado, e a historiografia funciona a base de métodos, como produtora da apropriação controlada e correta do passado....
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • A construção social da memória: o indivíduo e o tempo
  • HISTÓRIA CONSTRUÇÃO E LIMITES DA MEMÓRIA SOCIAL
  • Tempo, história e memória
  • Prova de história/História, tempo e memória
  • História e memória social
  • História: Análise do passado e projeto social
  • História: análise do passado e projeto social
  • Redação Memória e história presente passado e futuro

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!