shaaushas

Páginas: 5 (1050 palavras) Publicado: 24 de novembro de 2014





A HISTÓRIA DA CANJICA



Desde menina eu costumava comer canjica nas noites frias, no aconchego da cozinha de fogão a lenha, onde a nossa família se reunia e os pratos de canjica eram servidos, quentes, saborosos. Era canjica com açúcar, canjica com leite, e aminha preferida era canjica com vinho.
Enquanto ao redor da mesa e do fogão comíamos, minha mãe passava as roupas da casa e contava os acontecimentos do dia e “causos” de antigamente, que nós ouvíamos extasiados.
Muitos anos depois, já casada, com dois filhos, morando em outra cidade, lembrava-me seguidamente da canjica que parecia uma coisa que tinha ficado no passado, como os meussonhos de adolescente, até que um dia ao voltar à tardinha do Grupo Escolar onde trabalhava como professora primária, passei pela casa da minha sogra , que era ao lado da minha, e senti o cheiro inconfundível de canjica.
Canjica? Perguntei incrédula a mim mesma .
Entrei na cozinha e levantei a tampa da panela para certificar-me, quando Dona Julia falou:
- Estou acabando decozinhar.
- Faz anos que eu não como canjica.
- Venha mais tarde. Em pouco tempo estará cozida e pronta para servir.
Fui até minha casa, dei banho nos meninos e esperei meu marido chegar do trabalho, ansiosa para contar-lhe que iríamos à noite comer canjica na casa dos seus pais. Quando ele chegou não pareceu muito entusiasmado com a notícia e até estranhou a minha expectativa.
- Toda essaalegria por causa de uns grãos de milho?
- Vamos lá sim. Tua mãe está nos esperando. e dizia para as crianças :
- Vocês vão comer uma comida muito gostosa que a vovó fazia, vão adorar!
Depois da janta, como combinado, fomos até a casa dos meus sogros. O cheiro da canjica enchia a casa de odores. Sentamos ao redor da mesa, conversando alegremente, enquanto os pratos fumegantes eramservidos, mas fiquei decepcionada quando as crianças experimentaram e não gostaram. Mas nada impediu que eu comesse e me fartasse.
- Não sabia que gostavas tanto de canjica, disse minha sogra, nunca vi cozinhares na tua casa.
- Nunca cozinhei mesmo. Até nem sei porquê. Acho até que havia esquecido que gostava tanto, até sentir esse cheiro gostoso, e voltar a ter vontade de comer.
- Voupedir para o Amadeu trazer do mercado para teres em casa.
- Ótimo, estava mesmo pensando em comprar.
Naquela noite até não dormi muito bem porque exagerei um pouco, mas em compensação sentia-me contente como se um pouquinho da minha infância tivesse retornado.
Passaram-se alguns dias e num sábado à tarde estava tomando banho quando a minha sogra entrou em casa e indo até a porta dobanheiro falou:
- Estamos voltando do mercado agora. Trouxemos a tua canjica. Coloquei em cima da mesa da cozinha.
­ - Obrigada, já estou saindo. Não querem esperar ?
- Não, voltamos depois para tomar um chimarrão.
Saí do banheiro e fui até à cozinha e lá estava um saco de mercado com os famosos grãos amarelinhos. Era uma tarde fria. Meu marido tinha saído com os meninos para jogaremfutebol numa quadra esportiva perto de casa. O fogão a lenha, que tínhamos comprado há pouco, estava com a chapa reluzindo e o fogo crepitando alegremente, envolvendo a casa toda num calorzinho delicioso.
- Está o clima ideal para a minha canjica, pensei comigo mesma, e à noite, já poderemos comê-la ao redor do fogo, como fazíamos na casa de minha mãe. Essa lembrança me pôs tão feliz que, semtitubear, passei a mão numa panela e despejei nela o saco de grãos. Coloquei água e pus no fogo, que avivei com mais uma acha de lenha.
Andei pela casa arrumando uma coisa e outra e, de repente, ouvi alguma coisa chiando...
- tchiii...tchiiii...
Era no fogão. A canjica havia crescido um pouco e a água estava derramando. Apanhei outra panela e despejei a metade dos grãos e tornei a pôr...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!