Resenha do capítulo “Algumas considerações sobre a arte de ‘interpretar’ um texto teatral”, de Martha Ribeiro, para o livro “Metodologias em Pesquisas de Artes Cênicas”

485 palavras 2 páginas
Resenha do capítulo “Algumas considerações sobre a arte de ‘interpretar’ um texto teatral”, de Martha Ribeiro, para o livro “Metodologias em
Pesquisas de Artes Cênicas”

A autora começa o capítulo analisando os conceitos de texto aberto, dizendo que para pensar na dramaturgia como obra a ser concluída, deveríamos quebrar os paradigmas de texto enquanto obra fechada. Para embasar seu argumento, analisa Humberto Eco, em Obra Aberta.
Nessa obra, Eco aborda o fato da obra de arte ser naturalmente ambígua, e portanto, impossível de se fechar em um parâmetro. Ribeiro usa esse argumento como base, sabendo que quando este livro foi escrito, o mundo passava pela efervescência da década de 60, onde qualquer tentativa de traçar um limite era falha.
Entretanto, no livro Os Limites da Interpretação, Eco diz que o texto impõe limites aos seus interpretes, e por mais que a obra seja livre, é necessário bom senso. É a partir dessa ideia que Ribeiro monta seu argumento.
Ribeiro diz, de acordo com Eco, que o texto, apesar de ser aberto, é restritivo em sua essência, pois a língua tem sua gramática, e por isso, não podem ser rompidas todas as barreiras. Eco diz “os limites da interpretação coincidem com os limites do texto”. Ele ainda diz “é impossível (ou pelo menos criticamente ilegítimo) fazer um texto dizer o que ele não diz”. Partindo desses princípios, é mais fácil escapar da interpretação à deriva.
Pensando em como deveria ser a interpretação sem o esbanjamento do texto, Ribeiro percebe que os atores muitas vezes lutam para representar alegoricamente aquilo que foi previamente preparado. Ribeiro não busca um leitor empírico, mas sim um leitor disposto a jogar com o texto.
A partir do momento que um texto é lido, o leitor deve querer jogar com ele, fazer mais do que apenas interpretá-lo, mas sim fazê-lo com arte. O leitor não deve impor seus desejos ao texto. O leitor ideal, para Eco, é aquele que é um colaborador do texto.
Ribeiro então pergunta “A

Relacionados

  • apostila para concurso de professor de ensino fundament
    49536 palavras | 199 páginas
  • Proposta Curricular Ensino Fundamental I
    91818 palavras | 368 páginas
  • sociedade e cotidiano
    49271 palavras | 198 páginas
  • Temas transversais
    82226 palavras | 329 páginas
  • Anais Abemcongresso 2010 Parte2
    397825 palavras | 1592 páginas
  • Cultura Audiovisual
    149775 palavras | 600 páginas
  • Caderno Resumos
    1007259 palavras | 4030 páginas
  • apostila concurso
    416289 palavras | 1666 páginas
  • Unid2 Ativ4paulofreire Umabiobibliografia
    289717 palavras | 1159 páginas
  • Artigo
    182230 palavras | 729 páginas