Resenha - ávila, antonio. para conhecer a psicologia da religião. são paulo: loyola, 2007

Páginas: 22 (5417 palavras) Publicado: 6 de outubro de 2011
Resenha – Dionivaldo Pires
ÁVILA, Antonio. Para Conhecer a Psicologia da Religião. São Paulo: Loyola, 2007.
Publicado pela editora Loyola, um livro sob o título “Para Conhecer a Psicologia da Religião”, de Antonio Ávila, com tradução do espanhol por Maria José Rosado Nunes e Thiago Gambi. Ávila é professor de Psicologia do Instituto de Pastoral e da Faculdade de Teologia São Dâmaso, em Madri.Já na apresentação o a. diz que após mais de cem anos de pesquisas, enfrentamentos e diálogos com outros campos afins, a psicologia da religião pode apresentar uma grande quantidade de contribuições úteis para a compreensão da religiosidade do ser humano, contribuições muitas vezes parciais, dispersas em múltiplas pesquisas, (…) Assim, este livro apresenta de forma sucinta e o mais ordenadamentepossível os conhecimentos ainda parciais que possuímos desse campo, de maneira que se tornem úteis a todos aqueles que queiram ter um conhecimento global de suas contribuições.
Após uma apresentação (primeiro capítulo) onde o autor debate o Estatuto da psicologia da religião (apontando aí, a atitude do psicólogo diante do fato religioso e questões de Método de pesquisa), o a. divide o livro em 4partes.
Primeiro capítulo
No primeiro capítulo dividido em dois subtítulos, o autor tenta estabelecer o Estatuto da psicologia da religião, de que se trata e as dificuldades de delimitar o objeto focado, a postura do psicólogo da religião diante do fato religioso e, finalmente, o método da psicologia da religião e instrumentos utilizados.
Segundo a lógica do a., na definição do que seria, defato, psicologia da religião se têm mais desacordos que acordos, justamente pela falta de um único paradigma na compreensão. Assim, se de um lado o horizonte é vasto e, portanto, rico, do outro, é recheado por discussões estéreis. Relativamente jovem, a Psicologia da Religião nasce na década de 1880 e caracteriza-se por ser a aplicação da psicologia ao estudo da religião. O autor prefere usar adualidade - psicologia e religião - asseverando que não pretende estudar a religião a partir da psicologia, mas um diálogo mútuo, tendo como ponto de união: a busca de sentido do ser humano. A escolha se inspira nas novas orientações que surgiram nos meados dos anos 1960.
O tema em questão já desfilou por muitos cenários: no pré e pós-Concílio, temos psicologia e teologia, no assim chamado métodocorrelacional (P. Tillich), tendo como fruto: a psicologia pastoral; o diálogo entre psicologia e outras culturas além da judeu-cristã, nasceu a psicologia religiosa comparada. A psicologia, segundo algumas orientações, se apresentou como alternativa à religião não institucionalizada.
O escopo do a. é manter-se fiel ao tronco inicial da psicologia e da religião, para perceber como o segundose submete ao primeiro, qualificando-o. W. Wundt quem deu autonomia à psicologia ao dotá-la de um método científico; mas que tipo de ciência é a psicologia? Essa problemática o a. enfrentará no segundo capítulo.
O que distingue ou o que é peculiar na religião? O que seria religião? A definição substantiva assevera que o sagrado (divindade, sobrenatural) é o que distingue a religião. Adefinição é precisa, embora possa dar margens a ilusões e mantém uma compreensão estática. A orientação funcional vê na religião uma função interpretativa, qual a utilidade da religião na vida do ser humano. Aqui a definição é muito aberta, podendo ser até confundido com filosofia, ideologia, esportes, enfim.
Mesmo ciente das limitações, o a. prefere delimitar o objeto de estudo a partir da definiçãosubstantiva, sem perder, contudo, a definição funcional. Assim, a religião seria uma busca de sentido (funcional) em relação com o sagrado (substantiva). Feita a escolha não fica difícil entender que o objeto da Psicologia da Religião é o homem na qualidade de religioso: suas motivações, seus desejos, suas expectativas, suas atitudes, ou seja, todo homem, crente ou não.
No segundo subtítulo do...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • PAIVA, Geraldo José de et al (Org.). Entre necessidade e desejo: Diálogos da psicologia com a religião. São...
  • São Paulo
  • Resenha São Paulo S.A.
  • Atividade avaliativa BAGNO, Marcos. Preconceito linguístico – o que é, como se faz. 49 ed. Loyola: São Paulo, 2007.
  • Resenha São Paulo Rakel Rolnik
  • Resenha São Paulo
  • Resenha
  • “HISTÓRIA E MEMÓRIA DA PSICOLOGIA EM SÃO PAULO – PSICOLOGIA EDUCACIONAL”

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!