“Quem me roubou de mim?” - Visão da obra do Pe. Fábio de Melo

Páginas: 6 (1277 palavras) Publicado: 7 de setembro de 2013
1. Ideias Centrais

O Pe. Fábio de Melo foca sua análise na perda de si mesmo, advinda das más relações
construídas, nas quais não há ganho, há antes perda daquilo que o caracterizava, fazendo
compreensível um título como Quem me roubou de mim?, um tanto espantoso de início.
Para facilitar a compreensão dessa ideia, o autor fala sobre o sequestro do corpo e o
chama assim para diferenciá-lodo sequestro da subjetividade, utiliza o primeiro, mais
visível e por isso melhor compreendido para explicar o segundo.

O sequestro do corpo se trata exatamente do rapto e manutenção de um refém
sob cárcere privado, situação essa que a população certamente já acompanhou pelos
meios de comunicação, quando não a viveu. Se no sequestro do corpo, é tirada da vítima
a convivência com pessoasconhecidas e os lugares que costuma frequentar, com os
quais estabelece relações as quais lhe dão segurança, para um local desconhecido, no
qual suas ações não lhe pertencem, são condicionadas por terceiros, no sequestro da
subjetividade é tirada a sua essência, aquilo que a diferencia e a caracteriza, há uma
perda da identidade, tendo em vista que se ela não possui mais as características que adefiniam e teve que abrir mão de sua visão de mundo, não há mais aquilo que a definia
e a diferenciava dos demais.

Entretanto, não há como dissociar por completo esses dois conceitos, num
sequestro do corpo, físico, o ser é isolado de tal forma daquilo que conhece e que lhe
deu base para a sua formação, que assim como adapta o corpo às privações sofridas,
também o faz com a mente. Acircunstância o faz abandonar quem era, pois se a forma
como vivia lhe proporcionou uma identidade, ele não consegue sustentá-la numa
mudança tão radical de realidade, é o que o autor chama de esquecimento do ser.

O sequestro do corpo geralmente provoca o sequestro da subjetividade, mas
percebe-se, analisando outros casos, que o primeiro não é necessário para desencadear o
segundo. Este podeestar associado às diversas relações estabelecidas entre as pessoas,
as quais tanto podem ser benéficas quanto maléficas, ou segundo o Pe. Fábio de Melo,
simbólicas ou diabólicas.

As relações simbólicas são construtivas, levam ao crescimento pessoal, à
compreensão dos próprios limites e sua superação. Enquanto as diabólicas são
destrutivas, não auxiliam no entendimento de significados, antescausam confusão e
provocam uma estagnação ou retrocesso no processo de autoaprendizagem e
consequente conhecimento do mundo.

É através desse último tipo de relação que pode haver sequestro da subjetividade
sem que também ocorra o do corpo. Apesar da pessoa não estar fisicamente presa ou ter
sido retirada de seu local de convívio habitual, está submissa, não a um sequestrador,
mas a alguém,que na maioria das vezes ela mesma deixou entrar em sua vida. A partir
do momento em que ela cria uma dependência desse alguém, ele não encontra barreiras
na imposição de um comportamento diferente, passa a dominá-la, pois não há
resistência, pelo contrário, há certa permissividade por parte da pessoa, que escolhe
abdicar de si, preferindo manter por perto o objeto de sua dependência.

Asrelações podem se basear no prazer ou no desejo, a este o autor atribui um
significado mais profundo, com carga motivadora, àquele, que é passageiro e
superficial, traz satisfação momentânea, incentivando sua busca inacabável. Se a
inspiração para qualquer ato vem do prazer, não suportará obstáculos mais difíceis e a
pessoa estagnará, procurando caminhos mais fáceis. Mas se ela vem de umdesejo,
somente a sua lembrança é suficiente para renovar as energias necessárias à
transposição de cada barreira e cada superação causa crescimento, é acréscimo a
identidade do ser.

2. Da Ética à Subjetividade, Relações com o texto de Susin.

2.1. Liberdade, Autonomia, Autenticidade.

Em Por uma ética da liberdade e da libertação fala-se da liberdade e que a partir dela o
ser humano...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • Quem Me Roubou de Mim Padre Fabio de Melo
  • Pe Fabio De Melo
  • Quem me roubou de mim!
  • Quem me roubou de mim
  • Resumo Quem me roubou de mim?
  • Padre Fábio de Melo
  • Vida e obra sobre mim
  • Vida e Obra do Escritor Thiago de Melo

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!