Peças

Páginas: 2 (291 palavras) Publicado: 16 de maio de 2014
II – DA DECISÃO APELADA

A respeitável sentença dos autos merece total reforma, tendo em vista os motivos de fato e de direito a seguir expostos:

O MM juiz a quoentendeu pela limitação dos juros, manutenção da capitalização mensal no contrato, afastamento da mora, legalidade da cobrança do IOF e pela consignação em pagamento.

Porfim, o Ilustre Magistrado entendeu por condenar o Apelante em honorários advocatícios arbitrados 10% (dez por cento) sobre o valor da causa.

No entanto, no que pese oelevado conhecimento jurídico do nobre julgador monocrático, esta decisão merece ser reformada, com base nas razões abaixo aduzidas:

II.a) DA IMPOSSIBILIDADECAPITALIZAÇÃO DOS JUROS (ANATOCISMO) - SUSPENSÃO DO INSTITUTO PELA ADI 2316 STF - ARGUIÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE Nº 51807/2007 TJ/MT

A respeito da capitalização mensal dejuros, a Nobre Julgadora a quo decidiu pela sua incidência, com base na Medida Provisória nº 1.963-17, revigorada pela Medida Provisória nº 2.170-36, afirmando que tal encargoencontra-se expressamente pactuado no contrato outrora firmado.

No entanto, os fundamentos aplicados pelo Julgador em sua decisão não merecem, sob nenhuma hipótese,prevalecer, pois, conforme amplamente demonstrado na exordial a capitalização dos juros é ilícita, não sendo permitida pelo nosso ordenamento jurídico nos contratos emdiscussão, RAZÃO PELA QUAL A MESMA DEVERÁ SER RETIRADA DAS CONTRATAÇÕES ORA REVISADA.

Com o advento da Lei da Usura, que modificou o disposto no artigo 1262 do Código Civile culminou com a edição da Súmula 121 do STF, a capitalização dos juros foi vedada pelo nosso ordenamento jurídico, ainda que expressamente contratada, in verbis:
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • Peça
  • Peça
  • peça
  • peça
  • peça
  • Peça
  • peça
  • Peça

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!