Pantemporaneo

Páginas: 7 (1575 palavras) Publicado: 22 de outubro de 2013
 Método Pantemporâneo de Interpretação
>
> Darci Figueiredo
>
> Aos 60 anos de idade e, com um currículo de 30 anos de prática de
> teatro  no Brasil e no exterior (nos cinco continentes), tenho me
> dedicado à prática de um método, por mim criado, ao qual dei o título
> de: Método Pantemporâneo de Interpretação. Ele advém, de uma pesquisa
> que teve início em meados dos anos 80,quando de minha passagem por
> Manaus-AM, ao descobrir, por exemplo, que os atores locais tinham,
> naturalmente, uma excelente Projeção Vocal, ausência de tensões
> físicas e uma postura de intérpretes de Teatro Clássico. Ao estudar a
> cultura amazônica, percebi que os métodos com os quais eu havia
> trabalhado até então, não se aplicavam aos artistas de palco daquele
> Estado e tampouco seaplicavam para um país tropical-Brasil. Senti que
> lhes faltava, um pouco mais de destreza técnica e alguns conhecimentos
> teóricos sobre a representação teatral e a cinematográfica.
> Iniciaram-se neste momento, meus estudos no campo da neurociência, da
> comunicação e da cultura, aspectos relacionados à área estética em
> questão. Minhas investidas ganhariam mais força, se eu me aprimorasse> na pesquisa de  culturas diferenciadas, de expressões singulares no
> modo de fazer teatro e, assim motivado, “botei” o pé no mundo: Estados
> Unidos, Finlândia, Portugal,  Espanha, Alemanha, Japão, África do Sul,
> Austrália, Suécia, Nova Zelândia. Fui beber em ricas fontes para
> melhor e maior conceber as minhas.
>
> Depois de ter erigido meu próprio método e de tê-lo colocado em
>prática no teatro, nacional e internacional, hoje, sentindo-me mais
> amadurecido com ele, aplico-o nos espetáculos que dirijo,
> considerando-o, metaforicamente, um “anti-método”. Constatei, que esta
> descoberta oferece um rendimento imediato aos intérpretes, o que muito
> facilita toda a engrenagem de uma encenação, além de garantir uma
> poética encantadora aos “seguidores de Dioniso!”.
>> Não deprecio, absolutamente, nenhuma metodologia de diretores do
> século passado, mas também não os incorporo, porque fiz minhas
> próprias explorações e abordagens, chegando à conclusão que o Ator é
> um Criador, capaz de uma força mágica sedutora de interpretação.
>
> Uma das facetas de meu processo consiste em não esgotar os atores com
> repetições exaustivas e mecanizadas, aliás,temos poucos encontros,
> mas os que temos são demasiado substanciosos. Eles são realizados,
> apenas uma ou duas vezes, quando os oriento a desenharem em gráficos,
> o trânsito cênico de cada um, em separado, e também em contato com os
> demais contracenantes (marcas), dispensando a obrigatoriedade de
> emendar um segmento a outro da história narrada. Opto por não fazer,
> os “famosos”ensaios corridos, de luz, de som, de figurino, de
> maquiagem, levando os intérpretes para a estréia quase que “da forma
> como são na vida”, “virgens”. A diferença é que, lá, no tablado,
> diante da platéia, ao “vivo” e submetidos ao estado de presentidade
> pura, eles realizam, por completo, a encenação. As indumentárias, os
> adereços, os adornos físicos ficam a critério do elenco, podendo
>alterá-los, a cada noite, de acordo com a necessidade interna geradora
> da expressão externa. Entendo e provo que tal estrutura, oferece à
> estetização teatral, ao enredo e às nuances afetivas, um permanente
> “ar de novidade”, de vigor, de frescor, de viço. Elas jamais se
> fossilizam. Jamais se congelam. Parece que estou falando de
> improvisação, não é bem isto. Dela, só temos a pele,apenas a pele, o
> resto é interioridade profunda mas sem carregar blocos de pedra.
>
> Trabalho com o talento, com a sensibilidade, com a emoção, intocáveis,
> e com a inteligência dos atores. Estudamos juntos, inclusive, outras
> áreas do conhecimento humano, outras ciências, outras artes, outras
> linguagens, para que eles ganhem reforço de sustentação, como, por
> exemplo, a pintura, a...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!