História contemporânea

Páginas: 5 (1081 palavras) Publicado: 26 de novembro de 2014
1. O que significa, para Immanuel Wallerstein, o “particularismo essencialista”? Relacione esse conceito com a noção de “orientalismo” de Edward Said.
Immanuel Wallerstein, estudioso do marxismo e crítico do capitalismo global, é uma das principais referências teóricas dos movimentos antiglobalização e autor do livro O universalismo europeu: a retórica do poder. No segundo capítulo,” É possívelser não-orientalista?” Wallerstein demonstra de que maneira o Orientalismo foi utilizado durante o período colonial, no qual a intenção era de estabelecer um tipo de relação de superioridade cultural entre as sociedades denominadas como complexas e as “atrasadas”. Já que esses povos não praticavam os valores entendidos como universais, pregados pelo Cristianismo e pela ideologia de civilização daEuropa. Esse processo acabou por estagnar o progresso dessas sociedades e a formação de suas identidades.
Ele se refere também à trajetória de dois intelectuais fundamentais – o egípcio Anouar Abdel-Malek e o palestino Edward Said – no desmonte do “particularismo essencialista” que, por meio de estereótipos e de generalizações, caracteriza o outro sempre como o atrasado e assim retira seudireito à autodeterminação.
Através do livro “Cartas Persa”, de Montesquieu, o autor fundamenta seu ponto de vista e conclui com a reflexão: como podemos reconstruir as estruturas, de forma a sermos não-orientalistas.
Ser não-orientalista significa não praticar uma ação contínua de propagação e reafirmação de sua própria cultura, é a “não-necessidade” de universalizar a nossa percepção e o desejo dedefender as raízes particularistas. É preciso que universalizemos nossos valores particulares e, ao mesmo tempo, que particularizemos nossos valores universais, numa espécie de troca mútua e constante que nos permita encontrar novas visões.
Já Said, afirma na introdução do livro “O Oriente como invenção do Ocidente” que "...sociedades contemporâneas de árabes e muçulmanos sofreram um ataque tãomaciço, tão calculadamente agressivo em razão de seu atraso, de sua falta de democracia e de sua supressão dos direitos das mulheres que simplesmente esquecemos que noções como modernidade, iluminismo e democracia não são, de modo algum, conceitos simples e consensuais que se encontram ou não, como ovos de Páscoa, na sala de casa". A observação é categórica, uma vez que até bem pouco tempo, muitospaíses considerados ocidentais ou viviam sob ditaduras (Argentina, Chile, Brasil) ou apoiavam regimes autoritários em nome da democracia (EUA).
Said fala também sobre os estereótipos que permanecem e é através deles, que muitos veem o Oriente como fonte de mistério, corrupção, sensualidade, espiritualidade e se sentem no direito de subjulgar.
No primeiro capítulo, Said fala sobre o alcance doOrientalismo, trazendo a visão ocidental acerca do Oriente. Seu relato parte do pensamento europeu durante o século XIX (e também nos primórdios do século XX). Primeiramente, demarca a condição desuperioridade pela comunidade européia (em especial os ingleses) em detrimento às civilizações orientais, partindo do discurso de Arthur James Balfour no ano de 1910. Essa superioridade descrita é, emparticular, sobre sido, durante os anos anteriores, administrativamente subordinado aos britânicos.
Defende o autor, assim, que a definição pela qual se divide o mundo em “oriente” e “ocidente”,serve, na realidade, para intensificar e demarcar as diferenças e bloquear quaisquer tentativas de aproximação entre as culturas. A tradição orientalista, ao apontar a existência de tantasdiferenças,constitui-se num convite à subjugação oriental.
O conceito de Orientalismo de Edward Said se relaciona com o Particularismo Essencialista de Wallerstein, uma vez que ambos relatam e evidenciam a visão etnocêntrica das culturas advindas das grandes potências. Visão essa que subjuga culturas vistas como inferiores, resultando na diminuição e inferiorização das mesmas, resultando tanto no etno, quanto no...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • História contemporanea
  • Historia contemporanea
  • historia contemporânea
  • História contemporânea
  • Historia contemporanea
  • historia contemporanea
  • História contemporânea
  • historia contemporanea

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!