Fitzcarraldo e Antropologia

Páginas: 5 (1034 palavras) Publicado: 22 de outubro de 2013



Universidade de Brasília
Introdução a Antropologia 2/2013 – Prof. Thiago Novaes
Thiago Monteiro – 09/0014464


FITZCARRALDO – O preço de um sonho (1982)

O filme de Werner Herzog, lançado em 1982, traz a história de um sonhador que , mesmo em face das piores adversidades , tenta ir atrás do seus objetivos e ultrapassa seus próprios limites para conseguir o que quer. O visionário emquestão se chama Brian Sweeney Fitzgerald, um estrangeiro que mora em uma área na Floresta Amazônica, quase isolada da civilização manauara, que está prosperando pela atividade da extração da borracha. Embora Manaus esteja recebendo óperas e crescendo economicamente, como retratado no início do filme, Fitzgerald, não satisfeito, alimenta o sonho de levar a ópera - sua grande paixão - para dentroda Floresta Amazônica, onde reside com uma tribo indígena. Seu sonho é tido como alvo de deboche pelos grandes barões de Manaus, que o chamam de o Conquistador do Inútil, depois de empreitadas como tentar construir uma malha ferroviária dentro da floresta e produzir gelo em plena mata.
Fitzgerald, que é conhecido como Fitzcarraldo, pela dificuldade de pronúncia dos nativos, não se intimida comseus fracassos pregressos e enxerga no ciclo da borracha uma oportunidade de lograr êxito financeiro e realizar-se pessoalmente. Nessa nova empreitada, o visionário descobre um terreno ainda não explorado pelos barões da borracha. O terreno, apesar da imensa área e possível potencial seringueiro, têm duas grandes objeções: a dificuldade de acesso (pela passagem tradicional do rio, há um lugar ondeas navegações sempre afundam, com presença de forte correnteza e muitas pedras) e a presença de uma tribo selvagem indígena, os jivaros, conhecida pela violência empregada com os desbravadores.
Fitzcarraldo parece não se importar com esses possíveis obstáculos e com a ajuda de sua amada, Molly, compra um barco e reúne uma tripulação para irem rio abaixo, rumo a grande floresta cheia deseringueiras, a despeito das apostas dos barões da borracha quanto ao seu provável e próximo fracasso.
Ao começar a viagem, a primeira surpresa para a tripulação, ao invés de descerem o rio, que era o caminho esperado, Fitz e seu capitão sobem o Amazonas a bordo do navio e chegam a antiga e inacabada Transandina, empreendimento anterior de Fitz, para recolher os trilhos não utilizados pela construçãoferroviária. Próxima parada, a última vila com presença “civilizada” no rio, onde habitam jesuítas que tentam catequizar alguns nativos selvagens.
Uma parte que me chamou atenção foi o diálogo entre Fitz e um jesuíta, onde este afirma que há um livro onde eles ensinam os índios a se comportarem de modo diferente, civilizado e que os mais novos “estudantes”, já inseridos nesse contexto branco eeuropeu e em negação com sua própria cultura, não se reconhecem como índio e identificam os índios como aqueles que não sabem ler e não lavam as suas roupas.
O barco continua sua viagem até o rio afluente quando se percebe a presença dos temidos índios Jivarros. A cena é muito simbólica e interessante: ao se escutar os tambores índigenas, toda a tripulação já lança mão de suas armas e ficam alertaspara qualquer movimento, apesar de não verem os índios na floresta, ouve-se cada vez mais intensamente o rufar dos tambores. Contrariando a reação comum, Fitz se mune de sua vitrola e começa a reproduzir um vinil de uma ópera de Caruso. Por uns momentos ambas músicas se relacionam, coexistem, mas logo os tambores cessam, representando para mim a música branca como uma forma de dominação sobre acultura nativa.
Logo após o amanhecer, Fitz nota que sua tripulação, com exceção do maquinista , do cozinheiro e do capitão, desertou e que os índios estão em suas canoas seguindo o barco. O encontro se dá de maneira interessante. Os índios cercam o barco e se apropriam da navegação. Sobem a bordo e tentam reconhecer os navegantes, mas de forma pacífica. Mais tarde, descobre-se que os índios têm...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • antropologia
  • o que é antropologia?
  • Antropologia
  • Antropologia
  • antropologia
  • Antropologia
  • Antropologia
  • Antropologia

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!