Fichamento do livro a história em migalhas: dos annales à nova história ( 2 - o tempo de marc bloch e lucien febvre )

Páginas: 6 (1297 palavras) Publicado: 8 de abril de 2013
UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO

ESCOLA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

CURSO DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA









FICHAMENTO DO LIVRO
A HISTÓRIA EM MIGALHAS:
dos Annales à nova História
( 2 - O tempo de Marc Bloch e Lucien Febvre )



Daniele Meneses Pereira









Rio de Janeiro, Novembro de 2011.DANIELE MENESES PEREIRA

Matrícula: 2011200273









FICHAMENTO DO LIVRO
A HISTÓRIA EM MIGALHAS:
Dos Annales à nova História
( 2 – O tempo de Marc Bloch e Lucien Febvre )
















Trabalho da disciplina
Teoria da História
Profª Cláudia













Rio de Janeiro, Novembro de 2011.

UNIVERSIDADE CASTELOBRANCO

Aluno: Daniele Meneses Pereira Matrícula: 2011200273

Curso: Licenciatura em História Turno: Noite

DOSSE, François. A História em migalhas: dos Annales à nova História. Campinas: Unicamp. São Paulo. 1992.

2 – O tempo de Marc Bloch e Lucien Febvre

Os historiadores do presente

“Mais do queoutras escolas históricas, os Annales sofreram as sugestões, as intimações da sociedade contemporânea, já que seus fundadores restabelecem o elo que une passado e presente.” DOSSE, ( 1992, p. 61 )

A escola do Annales foi influenciada pela sociedade da época. Os Annales tem uma relação com a modernidade que evidencia a coerência de seu projeto.

“Pode-se dizer que esse texto já é, em simesmo, uma crítica muito lúcida das insuficiências, dos ocultamentos do discurso histórico dos Annales. Tem mais valor porque foi escrito por um dos mestres incontestáveis dessa escola, no momento trágico em que a história bateu à porta do laboratório de especialistas, e eles passaram ao largo, sem a ver.” DOSSE, ( 1992, p. 64 – 65 )

Marc Bloch questiona um pouco o discurso dos Annales,pelo fato de se afastar dos indivíduos. Esse questionamento é muito valoroso pois foi feito por Bloch, um dos mestre da escola dos Annales.

“A resenha do livro de Daniel Guérin sobre a Revolução Francesa revela aquilo que Lucien Febvre reprova principalmente no marxismo: uma história dos bons e dos maus e a pretensão ao julgamento.” DOSSE, ( 1992, p. 65 )

Apesar de se apoiarem nas idéiasmarxistas, os Annales não concordavam com tudo que Marx “pregava”.Febvre criticava a idéia de que o historiador era um juiz, ele reprovava a pretensão ao julgamento.

“Uma das inovações, essencial, dos Annales da época é o rompimento com a concepção puramente passadista do discurso histórico, a correlação passado e presente na construção de uma história que tenha por campo de estudo não somenteo passado mas também a sociedade contemporânea.” DOSSE, ( 1992, p. 67 )

Para os Annales o presente era tão importante quanto o passado na construção da história. Segundo Febvre o historiador deve e inspirar no presente, no tempo em que vive, pensa e escreve.

“A história é “uma resposta a perguntas que o homem de hoje necessariamente se põe.” O presente ajuda a pesquisa do passado epermite valorizar uma história-problema e enriquecer o conhecimento do passado.” DOSSE, ( 1992, p. 67 )

De acordo com os Annales o presente é necessário para desvendar o passado, a relação passado-presente era de suma importância para eles.

“O historiador parte do presente para remontar o fio do tempo até as sociedades do passado. Propõe uma leitura às avessas “porque o percurso naturalde qualquer pesquisa se faz do melhor ou do menos mal conhecido para o mais obscuro”.” DOSSE, ( 1992, p.67, 68 )

Os Annales partem do principio de que para entender e remontar o passado é preciso um conhecimento amplo do presente. Porque uma pesquisa se faz do mais conhecido para o pouco conhecido.

“Para responder a essa demanda social, é evidente que as jovens ciências sociais...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • “A História, os homens e o tempo”: análise da obra de Marc Bloch e sua contribuição para a Escola dos Annales
  • Fichamento Marc Bloch
  • Fichamento apologia da história- marc bloch
  • fichamento BLOCH, Marc. Apologia da História.
  • Teoria da história.capítulo 2 os fundadores lucien febvre e marc bloch
  • Resumo: livro aplogia da história
  • Fichamento
  • APOLOGIA DA HISTÓRIA – MARC BLOCH

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!