Etágio de ser humano

Páginas: 25 (6060 palavras) Publicado: 7 de agosto de 2012
ESTÁGIO DE SER HUMANO


Alfredo Burghi Jr.





















VOLARE!!

Quando a música tocou
Pela segunda vez,
Vinte e cinco anos depois,
Eu estava sentado na mesma
Ponta de mesa,
Sozinho e meditativo...

Vinte e cinco anos depois,
A mesma música e a mesma ponta de mesa:
“Penso che un sogno cosi non ritorni mai più”.
À minha frente o aeromodeloàs mãos,
As plantas, a cola, o papel, a ferramenta.
Sobre mim o sonho de vôos mais altos
A elástico, a motor planando
Sobre o ar puro de Araçatuba.
Na cabeça o pensamento distante,
Uma certa consciência da produção inútil,
Um pouco de desprezo ao vôo,
Uma falta de valor no sonho
E a busca por problemas reais.
Quando terei problemas reais?
Quando o valor será eu mesmo?
Quandoprecisarão de mim para a
Montagem da coisa humana precisar voar?
Na cabeça a fantasia de unir pedaços
Humanos para sonhos reais.
Disfarçada nas minhas mãos
Em cabeça-fuselagem, coração-nervura,
Emoção-estabilizador, consciência-asa,
Amor-motor, engenharia-humanidade.

Quando a música tocou pela primeira vez,
Vinte e cinco anos atrás,
Eu fazia meu estágio de ser humano
Naspeças de um aeromodelo
E ensaiava a reprodução da vida
Na mesa do meu laboratório.
Dezessete anos, e eu aprendia
Que não se mistura
A emoção com a cabeça,
O coração com a consciência
E que o amor é o que decola e
Faz voar o modelo e a única peça que
Pode funcionar errado em todo o mecanismo.
No exercício paciente da montagem
De cada nervura da asa e de sua
Colagem àfuselagem a exatos 90 graus,
A descoberta da função precisa
De cada parte e o primeiro alumbramento
Da integração emoção/consciência,
Cabeça/inteligência,
Coração/amor expressos no princípio
Do equilíbrio no ar de um
Objeto mais pesado que nossos
Pensamentos.


O exercício seguia um ritmo
Compassado: estudo da planta,
Análise das 290 peças, leitura das
Instruções,corte, polimento, colagem,
Montagem, pintura, devaneio.
O tempo fluía sem pressa, sem
Fome, sem sono, persistente.
Naqueles dias eu tinha um
Amigo cego a quem eu explicava
Cada passo, a forma, que ele
Examinava com as mãos, e as
Cores, que eu descrevia pelo valor
Da intensidade diferenciada do
Vermelho para o amarelo e o verde,O branco...
Como era gozado ouvir o Lúcio
Falar ao final da descrição:
“Nem quero ver ele voar”.
Nascia em mim a gratidão por ter olhos
E ouvidos para aprender sua fantasia
Sozinha e meditativa...


Vinte e cinco anos depois,
A mesma música e a mesma ponta de mesa:
“Penso che un sogno cosi non ritorni mai più”.
À minha frenteo quebra-cabeça às mãos
Em algum lugar na capital de São Paulo.
O coração, a emoção, a consciência e
A inteligência e o amor são apenas 5 peças
Que não se integram neste exercício
De ritmo descompassado, sem planta,
Sem manual de instruções, sem pintura,
Sem cor, sem devaneio, sem fantasia,
Sem Lúcio, o que podia ver sem olhos e
Hoje é advogado de tribunal.
Meu motordeu defeito e com ele
Ficaram no chão meus sonhos de
Vôos mais altos.
O tempo flui com pressa, com fome,
Com sono, persistente.

Nesses tempos
Meus amigos vêem tudo
E não me contam nada
E eu já não acho um privilégio
Ser deles um assemelhado.
Restou entre nós essa ironia
Da evolução da tecnologia.
Nosso modelo hoje só tem 5 peças:
Coração, emoção e amor,Inteligência e consciência,
Mas esse avião não vai voar.

Como era mesmo o nome daquela música?

Será que ela tocou pela segunda vez?















ELEGIA À DESCRITIVA


Tuas faces, tua máscara retilínea,
Compõem três linhas.
Tua imagem projeta tua sombra;
Tua verdadeira grandeza
Num plano da vida.
Rebato tua alma.
Triângulo reto médio a metro...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • o ser humano e o significado de ser humano
  • O SER HUMANO É UM SER SOCIAL
  • O Ser Humano Um Ser Social
  • a ser humano como ser politico
  • QUEM O SER HUMANO
  • o ser humano
  • O que ser humano
  • O ser humano

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!