Eng Agronomo

Páginas: 8 (1797 palavras) Publicado: 17 de setembro de 2014
Avaliação de do peso de 100 sementes e do peso hectolítrico em
híbridos top crosses de milho no sul do Estado do Tocantins.
Onésimo de Souza Cruz1; Flávio Sérgio Afférri2; Leandro Lopes Cancellier3; Danilo
Pacheco Dutra1; Ricardo César Costa Bachega1; Edmar Vinicius de Carvalho1;
Gabriel de Lima Cornélio1.
1

Aluno do Curso de Agronomia, UFT - Campus de Gurupi-TO.Email:onesimo89@hotmail.com; 2Orientador - Curso de Agronomia – UFT - Campus de
Gurupi-TO. E-mail: Flavio@uft.edu.br; 3Mestrando do curso de Produção Vegetal da UFT.
E-mail: leandroc@uft.edu.br.
RESUMO

O estudo foi desenvolvido com o objetivo de determinar a os valores em gramas do peso
de 100 sementes e o peso hectolítrico, na região sul do estado Tocantins. O experimento
foi plantado no Campus de Gurupi da UFTno dia 11 de dezembro de 2008 em
delineamento látice 9x9 com duas repetições. Os tratamentos constituíram de 81
tratamento.A parcela foi constituída de uma linha de 4 m de comprimento espaçadas 0,9
m entre linhas e com uma população de 55 mil plantas ha -1. Peso de 100 grãos (P100S) –
peso, em gramas, de amostras de 100 grãos, corrigido para 13% de umidade; Peso
hectolítrico (PH) – peso, emgramas, de cem mililitros e posteriormente convertido para
cem litros de grãos, corrigido para 13% de umidade. Foram observadas diferenças
significativas entre as cultivares, a 1% de probabilidade, pelo teste F, evidenciando a
diferença entre os cultivares, quanto à produtividade de grãos. Os genótipos avaliados
para o peso de 100 sementes e o peso hectolítrico formaram dois grupos estatísticospelo
teste Scott-Knott, apresentando uma media de 32,6 g(p100s) e de 70,1(PH). Assim
conclui-se que os genótipos obtidos do programa de Melhoramento de milho da UFT
apresentaram-se satisfatórios, em relação ao peso hectolítrico e ao peso de 100
semantes.
Palavras-chave: Zea mays, melhoramento de milho,densidade de grãos.

INTRODUÇÃO

A importância econômica do milho é caracterizada pelasdiversas formas de sua
utilização, que vai desde a alimentação animal até a indústria de alta tecnologia. Na
realidade, o uso do milho em grão como alimentação animal representa a maior parte do
consumo desse cereal, isto é, cerca de 70% no mundo. Nos Estados Unidos, cerca de
50% é destinado a esse fim, enquanto que no Brasil varia de 60 a 80%, dependendo da
fonte da estimativa e de ano paraano (Duarte, 2008).
A produtividade do milho na região Norte é baixa por causa, principalmente, das
altas temperaturas, do baixo nível tecnológico dos produtores e da insuficiência de
sementes melhoradas de variedades adaptadas ás condições de estresses abióticos
(CARVALHO e SOUZA, 2007).
Desta forma, o desenvolvimento de genótipos adaptado às condições de estresses
é estratégia adequadapara o aumento da produtividade de grãos de milho. Visto que, o
germoplasma selecionado em condições ótimas não se mostra adequado para ser
utilizado com limitações em condições de estresses abióticos, sendo necessário programa
específico para estas condições quando o controle gênico é diferenciado.
A escolha do germoplasma é parte fundamental e decisiva para qualquer programa
de melhoramentode plantas, quer seja para o desenvolvimento de variedades, para
utilização

em

híbridos

ou

para

estudos

básicos,

podendo

inclusive

influir

significativamente no sucesso ou no fracasso da seleção (ARAUJO E NASS, 2002).
No Estado do Tocantins, a produtividade média estimada para a safra 2007/2008 é
de 2842 kg ha-1 segundo CONAB, (2009), porém Cancellier et al. (2008)avaliaram vários
genótipos de milho na mesma safra e obtiveram um valor médio de produtividade em
cinco localidades de 5247 kg ha-1, mostrando que é possível aumentar a produtividade no
Estado do Tocantins em mais de 40 % apenas se adotadas cultivares mais adaptadas as
condições edafoclimáticas do Tocantins.
Assim objetivou-se avaliar o peso hectolitrico e o peso de 100 sementes de...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • Eng. Agronomo
  • Eng. Agrônomo
  • Eng Agronomo
  • ENG. AGRONOMO
  • Eng. Agronomo
  • Eng. Agronomo
  • entrevista Eng Agronomo editado
  • Agrônomo

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!